UOL futebol

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/11/01/leandro-do-gremio-e-condenado-a-dois-anos-de-prisao-por-uso-de-documento-falso.htm
  • Leandro, do Grêmio, é condenado a dois anos de prisão por uso de documento falso
  • 30/03/2017
  • UOL Esporte - Futebol
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Leandro, atacante do Grêmio, foi condenado a dois anos de prisão por documento falso

Leandro, atacante do Grêmio, foi condenado a dois anos de prisão por documento falso

01/11/2012 - 16h42

Leandro, do Grêmio, é condenado a dois anos de prisão por uso de documento falso

Do UOL, em Porto Alegre

O atacante Leandro, do Grêmio, foi julgado nesta quinta-feira por uso de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa e condenado a dois anos de prisão. No entanto, por ser réu primário, o jogador teve pena revertida em pagamento de multa e prestação de serviços comunitários.

O jogador, de 19 anos, foi parado em uma blitz da Operação Balada Segura pouco depois da meia-noite de 19 de abril na Avenida Cristiano Fischer, na zona leste de Porto Alegre, e apresentou CNH falsa. Ao verificar o documento irregular, os policiais encaminharam o atleta ao Presídio Central da capital gaúcha, onde ficou por cerca de duas horas.

Leandro presta depoimento à polícia
Veja Álbum de fotos

Mais tarde o avante foi liberado e chamado a auxiliar a polícia na busca pelos responsáveis. Mas em vez de ajudar na investigação, ele se negou a dar o caminho e afirmou que não tinha nada a declarar. Posteriormente, a Justiça aceitou denúncia do Ministério Público e definiu pelo julgamento.

A audiência que condenou Leandro ocorreria na última terça-feira. Porém acabou adiada por força do jogo do Grêmio contra o Millonarios-COL. Nem a multa nem o tipo dos serviços comunitários foram divulgados.

Leandro tem contrato com o Grêmio até 2016. Recentemente ele recebe críticas de Vanderlei Luxemburgo pela quantidade de gols perdidos. O comandante diz ter ação 'de pai' com o atleta.

"O cara que mais passou a mão no bumbum do Leandro fui eu. Como um pai mesmo. Ele foi preso, tinha cabelo estranho, envolvido com muitas coisas fora de campo.... Ele era muito largado, agora está largadinho. Contra o Bahia ele teve duas chances de marcar, perdeu, mas não fiquei chateado por isso, e sim por uma que ele puxou o freio e se fosse com tudo poderia ter feito. Ele precisava tomar uma pancada externa. Cobrei do Leandro como todo mundo cobrou. Ele teve a chance e tinha que entender que era para mostrar, buscar seu espaço", disse o técnico.

Placar UOL no iPhone