UOL futebol

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/11/17/presenca-de-goleiros-negros-aumenta-mas-eles-ainda-sao-minoria.htm
  • Presença de goleiros negros no Brasil salta de 12,5% para 31% em oito anos
  • 21/10/2018
  • UOL Esporte - Futebol
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Ao se firmar no Milan, Dida ajudou a acabar com o preconceito contra goleiros negros

Ao se firmar no Milan, Dida ajudou a acabar com o preconceito contra goleiros negros

17/11/2012 - 11h00

Presença de goleiros negros no Brasil salta de 12,5% para 31% em oito anos

Rodrigo Durão Coelho
Do UOL, em São Paulo

Já foi-se o tempo em que se dizia abertamente que um goleiro não era bom ou confiável apenas por não ser branco. Isso porque cada vez mais o número de arqueiros negros tem aumentado no futebol brasileiro. Mas eles ainda estão longe de refletir, como os jogadores de linha, a diversidade étnica da população.

Nos últimos oito anos, a presença de negros e pardos debaixo das metas dos grandes clubes brasileiros saltou de 12,5% para 31%, mas está abaixo da média nacional, indicada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de 50,7%. Nas demais posições, eles representam 53% dos jogadores, ou seja, estão em sintonia com a composição étnica do Brasil.

A porcentagem dos goleiros negros e pardos vem aumentando gradualmente entre os times da Série A do Campeonato Brasileiro. Em levantamento feito com base nos elencos das equipes divulgados no Guia Placar do Brasileirão, o jornalista Paulo Guilherme, autor do livro Goleiros - Heróis e Anti-heróis da Camisa 1, viu que a presença de goleiros negros e pardos na elite do futebol nacional aumentava a cada ano. Em 2004, eles eram 12,5%, em 2005,18% e 2006, 20,5%.

Um novo levantamento, feito pelo UOL Esporte, mostra que a participação continua aumentando. Em 2010, eles eram 25% e, no ano seguinte, 29% e chegam a 31% neste ano.

Dida, ex-goleiro da seleção brasileira
Dida, ex-goleiro da seleção brasileira

“Essa história começou com a condenação de um homem inocente, que morreu preocupado. O Barbosa”, diz Valdir de Morais, goleiro profissional por duas décadas e pioneiro como treinador da profissão por outras quatro. “Esse tipo de conversa já ouvi muito e sempre me chateou, uma grande bobagem”, diz ele.

  • Barbosa foi responsabilizado pela derrota em 50

A percepção geral é que o preconceito começou com os gols sofridos na derrota para o Uruguai pelo então goleiro do Vasco na final da Copa do Mundo de 1950. Mas o livro de Guilherme indica que o preconceito pode ser mais antigo. Ele afirma que desde o primeiro jogo da seleção, em 1914, até 2006, 92 goleiros haviam sido convocados e apenas 12 deles eram negros e pardos.

Jairo, ex-Corinthians

diziam que goleiro tinha que ser loiro de olho azul. Quando eu levava um gol, a primeira coisa que falavam era da minha cor

Deve-se levar em conta que na primeira metade do século 20, o preconceito de cor não era privilégio dos goleiros, mas afetava todos os jogadores. “O apelido Macaca vem de nós termos sido os primeiros a acolher jogadores negros”, diz o presidente da Ponte Preta, Marcio Della Volpe. “O que para os outros era um xingamento, para nós, desde o começo, foi motivo de orgulho.”

Vida dura

Depois de Barbosa, o primeiro goleiro negro a se firmar como titular da seleção brasileira foi Dida, no final dos anos 1990. Antes, os poucos convocados não tinham vida fácil.  Veludo, reserva de Castilho no Fluminense e na Copa de 1954, ficou marcado por uma falha em jogo pelo Campeonato Carioca de 1956. O incidente levou a diretoria a reduzir em 60% seu salário e teria contribuído para seu alcoolismo e final de carreira. O frango sofrido pelo pardo Manga na Copa de 66 no jogo contra Portugal foi muitas vezes explicado – com toda seriedade - como um desequilíbrio emocional relacionado com a cor de sua pele.

  • Manga (esquerda) defendeu o Brasil em 1966

Outro que reclama do preconceito é Jairo, goleiro que detém até hoje o recorde de tempo sem sofrer gols pelo Corinthians (1.131 minutos), no final dos anos 70.  “Na minha época, diziam que goleiro tinha que ser loiro de olho azul. Quando levava um gol, a primeira coisa que falavam era da minha cor.”

Se muitos apontam Barbosa como o começo do preconceito, Dida é citado como o goleiro que acabou com ele. “Ele foi para a Europa, jogar em um dos maiores times do mundo (o Milan) e abriu as portas. Falar o que depois disso?”, diz Felipe. O dono da camisa 1 do Flamengo diz que, nunca sofreu preconceito. “Na minha época já não tinha isso, era coisa do passado.”

  • Jefferson do Botafogo

Dida falou poucas vezes sobre o assunto. Uma delas foi durante uma entrevista coletiva na preparação para a Copa de 2006, na qual ele viria a ser o primeiro goleiro negro titular do Brasil desde 50. “Fico feliz por quebrar um tabu de mais de 50 anos. Isso é importante. Ele (Barbosa)  foi muito sacrificado. Estou feliz de contribuir para aquilo ser esquecido ", disse ele.

E contribuiu mesmo. Após Dida, muitos outros arqueiros negros vêm se destacando no Brasil ou fora dele, como Helton, Gomes e Jefferson.

Mas este último, goleiro do Botafogo e da seleção, sabe que ainda existe caminho a ser percorrido. “No Brasil hoje não se fala de preconceito, mas sabemos que existe. Uma vez um goleiro negro falou que iria torcer para mim pelo resto da vida porque sabia da dificuldade de conseguir algo na carreira”, declarou ele no passado.

Placar UOL no iPhone