UOL futebol

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2013/02/08/tuta-lembra-de-tapa-e-xingamentos-por-marcar-gol-que-estragou-jogo-armado-na-italia.htm
  • Tuta lembra de tapas e xingamentos por marcar gol que atrapalhou armação de resultado na Itália
  • 25/05/2017
  • UOL Esporte - Futebol
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Tuta teve até que prestar depoimento à justiça italiana

Tuta teve até que prestar depoimento à justiça italiana

08/02/2013 - 06h00

Tuta lembra de tapas e xingamentos por marcar gol que atrapalhou armação de resultado na Itália

José Ricardo Leite
Do UOL, em São Paulo

O anúncio feito nesta semana pela Europol sobre uma máfia mundial de manipulação de resultados em jogos de futebol não chega a assustar um jogador que, sem saber, estragou o "arranjo" de uma partida supostamente contaminada pela trapaça.

Atualmente com 38 anos, o atacante Tuta, hoje no Juventus da Mooca, quase foi agredido por marcar um gol pela sua então equipe, o Veneza, em jogo contra o Bari pela temporada 1998/99 do Campeonato Italiano.


O jogo estava empatado em 1 a 1 até os acréscimos do segundo tempo. Então Tuta, que havia entrado no segundo tempo, marcou o gol da vitória. Não foi abraçado por nenhum de seus companheiros, exceto o brasileiro Fabio Bilica. E ainda foi xingado pelos rivais. O capitão do Bari até deu um tapa na cara do brasileiro na saída do campo (veja na imagem). O jogador teve até que prestar depoimento para a justiça esportiva local, na época.

Tuta diz que em momento nenhum foi avisado por algum jogador ou comissão técnica de que o jogo pudesse estar arranjado. Imagina que o acordo para o empate tenha sido combinado apenas entre alguns dos atletas. E lembra que na época não entendeu nada do que estava se passando e de alguns outros fatos estranhos no jogo.

Veja fotos de ídolos do passado
Veja fotos de ídolos do passado
#uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','52804', '')

“De fato, até hoje eu não entendo. Depois que eles empataram o jogo, ficou completamente morno. Não saía mais nada. Até comentei no banco ´que coisa estranha´. Aí o treinador chamou um meia pra entrar no jogo. Conversaram, e o cara foi direto pro vestiário. Nem entrou no jogo. Nunca vi isso. Depois ele me chamou e eu fui voando pro jogo. Estava doente há algum tempo e sem jogar”, lembrou.

“Depois do gol, os caras do Bari ficaram me xingando. E eu sem entender nada. Os caras estavam muito irritados. O capitão deles começou a bater boca com o capitão do nosso time no fim do jogo. Mais tarde, esse capitão deles veio dando um tapa no meu rosto no fim. O médico do meu time pedia calma. E depois, na realização do exame antidoping, os caras do Bari quebraram tudo”, continuou.

Ter vivido isso na pele faz com que Tuta não se surpreenda com as investigações sobre armação no futebol. E lembra que Juventus e Milan já foram até punidos por isso na Itália. “Pra mim não surpreende porque eu vivi isso. Depois daquele campeonato lá, a Juventus rebaixada, o Milan perdeu pontos. Se é desse jeito, imagina o resto. Já teve aquele caso que envolveu o Paolo Rossi [na década de 80] .A imprensa não deveria ficar surpresa com esses escândalos”, falou.

Tuta disse que no último jogo daquele campeonato, estavam endurecendo a vida da Juventus, em Turim. E conta que alguns jogadores do time alvinegro até pediram uma ajuda para facilitar. O brasileiros diz não ter tirado o pé, mas seu time perdeu por 3 a 2. “Os caras ficavam falando para gente ir devagar e que se precisassem, eles dariam um ponto pra nós no campeonato seguinte”, relatou.

A Juventus terminou em sexto e foi para a Copa da Uefa, hoje Liga Europa. Venezia e Bari ficaram, respectivamente, na 11ª e 10ª colocações, longe do rebaixamento.

 

NÚMEROS SOBRE O NEGÓCIO REVELADOS PELA INVESTIGAÇÃO

  • - Jogos sob suspeita na Europa: 380
    - Jogos sob suspeita na África, na Ásia e nas Américas Central e do Sul: 300
    - 50 pessoas já foram detidas e 425 pessoas são suspeitas de envolvimento
    - São investigados integrantes dos clubes de futebol, jogadores e árbitros
    - Países sob investigação: Alemanha, Áustria, Eslovênia, Reino Unido, Hungria, Holanda e Turquia

O QUE A FIFA DIZ?

“A combinação e manipulação de resultados de partida é um problema global e que não vai desaparecer amanhã. A Fifa está empenhada em combater este problema, mas não conseguiremos sozinhos. A cooperação entre a aplicação da lei e as organizações desportivas precisa ser fortalecida. O apoio dos órgãos de aplicação da lei, as investigações legais, e as sanções mais duras em última análise, são necessários”, disse o diretor de Segurança da Fifa, Ralf Mutschke.

FUTEBOL SUL-AMERICANO TAMBÉM ESTÁ NA MIRA

  • Uma das partidas sob investigação seria o duelo entre as seleções sub-20 de Argentina e Bolívia, em 2010, pela Copa Córdoba, um torneio amistoso, em jogo da primeira fase. A Argentina venceu a partida por 1 a 0, com gol de pênalti bastante contestado pelos bolivianos, cujo banco chegou a entrar em campo para reclamar com o árbitro. Um defensor boliviano foi expulso no lance. Até mesmo o jornal argentino Olé tratou na época com desconfiança a vitória de sua seleção. O periódico considerou "escandalosa" a performance da arbitragem na vitória dos argentinos sobre os bolivianos. Os jogadores da Bolívia tentaram agredir o árbitro húngaro Lengyel Kolos, mas foram contidos pelo técnico da equipe. Não bastasse o pênalti, um jogador boliviano e o técnico foram expulsos.

ESCÂNDALOS ABALARAM JÁ FUTEBOL ITALIANO E ATINGIRAM PODEROSOS

  • Giorgio Benvenuti/REUTERS

    A manipulação de resultados teve consequências graves no futebol italiano. Em 2006, a Juventus, maior vencedora da história da Serie A, foi rebaixada por envolvimento em esquema que envolvia entrega de jogos e armação na escolha de árbitros. Outra investigação começou em 2011, e terminou na suspensão do técnico Antonio Conte (foto), da Juve, do lateral Criscito e na prisão de Stefano Mauri, da Lazio. Além disso, vários times foram punidos com rebaixamento ou perda de pontos.

Placar UOL no iPhone