Topo

Futebol


Grêmio tem eleição histórica com 1,2 mil candidatos e mostra racha político

Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Grêmio escolhe no próximo sábado 180 novos conselheiros e suplentes em eleição histórica Imagem: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2013-09-26T06:00:00

26/09/2013 06h00

A única coisa que une os 1,2 mil candidatos a uma vaga no Conselho Deliberativo do Grêmio é o time que torcem. A eleição histórica marcada para o próximo sábado, na Arena, mostra mais do que a intenção de muitos de participar da vida política do clube. Mas o racha evidente pela formação de sete chapas.

São 180 nomes que serão renovados no Conselho Deliberativo (150 conselheiros e 30 suplentes). Cabe ao eleito, votar no primeiro turno das eleições presidenciais, tomar ciência de decisões importantes do clube, apreciar gastos, opinar sobre questões internas e, acima de tudo, ser considerado ilustre representante dos demais torcedores.

São aproximadamente 6,6 candidatos por vaga. Entrar no Conselho Deliberativo do Grêmio é tão difícil quanto um concurso público ou vestibular. Mesmo que em vez de prova a aprovação ocorra com propostas através de votação.

A partir das 10h de sábado, sócios há mais de dois anos, com pagamentos em dia e maiores de 16 anos poderão optar por um dos sete grupos que apresentam candidatos e suplentes para os postos no CD. Dos quase 40 mil aptos a voto, são esperados ao menos 10 mil, e mais 5 mil votos na modalidade por correspondência, destinada a gremistas espalhados pelo país.

A votação será manual, com cédula. Cada uma das sete chapas (com numeração sorteada) teve relação apresentada ao próprio Conselho e os escolhidos estão em ordem. O espaço para chapa depende do percentual de votação. Atingindo mais de 20%, a chapa terá representantes no Conselho, mas quantos depende do número de votos. Por exemplo, se a Chapa 1 tiver 50% dos votos, a Chapa 2 21%, a Chapa 3 20% e a 4 9%, entram os nomes de 1 a 75 da Chapa 1, de 1 a 38 da chapa 2 e de 1 a 37 da chapa 3, sendo eleitos 150 novos conselheiros. O mesmo vale para os 30 postos de suplente.

A divisão dos grupos é: Chapa 1 Grêmio do Prata (que teve candidato à presidência do clube na última eleição sem sequer ter conselheiros no quadro), Chapa 2 Faixa no Peito (formada pelos grupos Grêmio Vencedor, Grêmio Unido e Grêmio Acima de Tudo), Chapa 3 Nação Tricolor, Chapa 4 Juntos pelo Sócio (formada pelos grupos Sócios Livres, Grêmio Multicampeão e Grêmio Sempre), Chapa 5 Grêmio Maior (formado pelos grupos Grêmio sem Fronteiras, Grêmio Novo e Grêmio Menino Deus), Chapa 6 Somos Grêmio (formada pelo grupo Grêmio Democrático) e Chapa 7 #VemproGrêmio (formada pelos grupos Grêmio Independente, Grêmio Imortal e Grêmio da Torcida).

Independente do posicionamento das chapas em relação ao atual comando do clube (duas delas apoiam Fábio Koff e somente uma é oposição declarada), o número de grupos evidencia a segregação política gremista. Mesmo que seja base da campanha de alguns grupos, como era do presidente Fábio Koff, tentar unir o clube internamente, quando o assunto é eleição tudo muda. A bandeira é de muitos, mas cada um quer realizar de seu jeito.

A eleição do Conselho, ainda, indica nova composição para a próxima eleição presidencial. Estes 150 novos conselheiros e 30 suplentes estarão aptos a voto no primeiro turno do pleito seguinte, em dezembro de 2014. Portanto, neste sábado, mais do que novos nomes na representação dos torcedores, o futuro do clube, indiretamente, também será decidido.

Mais Futebol