Capitão do primeiro título mundial do Brasil, Bellini morre aos 83 anos

Do UOL, em São Paulo

O ex-jogador da seleção brasileira Bellini morreu nesta quinta-feira em decorrência de complicações causadas por parada cardíaca. Capitão na conquista da Copa do Mundo de 1958, Bellini, de 83 anos, sofria de Mal de Alzheimer em estado avançado. Ele havia sido internado em 18 de março no hospital Nove de Julho, em São Paulo, mas não resistiu aos problemas respiratórios que teve.

O velório de Bellini acontecerá no Salão Nobre do Estádio do Morumbi, na capital paulista. O corpo será velado entre às 7 e 15 horas desta sexta-feira. Na sequência, o ex-jogador seguirá para Itapira, onde será enterrado no Cemitério Municipal da cidade, que fica a 170 km da capital.

"Não sabemos muita coisa ainda, não conversei com meu filho sobre. A notícia nos pegou de surpresa, a gente não esperava essa notícia nesta tarde", disse Giselda Bellini, mulher do ex-jogador, ao UOL Esporte.

Segundo a mulher de Bellini, a morte aconteceu por volta das 16h30 desta quinta-feira devido à insuficiência respiratória e falência múltipla dos órgãos.

"Realmente foi duro,  ele vinha sentido essa dor há algum tempo, com essa doença agravada há algum tempo. Ele era uma pessoa com relação boa com todos, tinha um amor pela terra natal dele, aqui em Itapira. Era uma paixão dele vir para Itapira, já fazia muito tempo que ele não vinha, a gente já vinha convivendo com isso. Sabíamos que a qualquer momento poderia acontecer, mas sempre fica aquele sentimento que podia ter uma melhora. Infelizmente, não aconteceu, a gente tem de aceitar. Pedir a Deus que reserve um lugar de paz com muita  tranquilidade por tudo que ele representou para nossa família, dedicada com a família. Uma perda muito grande, vai ficar um vazio", disse Toninho, sobrinho de Bellini.

De acordo com Toninho Bellini, o ex-zagueiro sofria com o Mal de Alzheimer há 10 anos e estava entubado em sua residência antes de ser levado ao hospital. Em virtude da doença, Bellini não reconhecia mais ninguém, inclusive sua mulher.

"Há três anos que ele não reconhecia mais ninguém. É uma pena, porque era uma pessoa tão querida, simples e atenciosa. Ele já não estava bem antes de ser internado. Já não se comunicava e estava entubado", declarou Toninho Bellini, sobrinho e ex-prefeito de Itapira.

O ex-jogador havia sido internado outras vezes por problemas respiratórios.

O primeiro a levantar a taça

Nascido em Itapira em 1930, o capitão da seleção em 1958 imortalizou o gesto de levantar o troféu após conquista em campo. "Não foi nada programado", disse, posteriormente. "Os fotógrafos pediram que eu levantasse a taça."

Esse foi o primeiro Mundial do zagueiro, que voltaria a ser campeão com a seleção no Mundial de 1962, no Chile; nesta Copa, ele foi reserva. O capitão era o titular da zaga Mauro Ramos de Oliveira.

Bellini disputou sua última Copa em 1966, quando jogou as duas primeiras partidas da seleção que acabaria eliminada com uma derrota para Portugal.

Nos clubes, Bellini fez história como zagueiro do Vasco entre 1952 e 1962, conquistando três Campeonatos Cariocas (1952, 1956 e 1958) e um Torneio Rio-São Paulo (1958). Depois, foi para o São Paulo, onde atuou por 1962 e 1968 e substituiu Mauro Ramos como ídolo da defesa são-paulina. Ele se aposentou no Atlético Paranaense, em 1969.

Em virtude do Mal de Alzheimer, Bellini se distanciou dos amigos de Itapira. Seus últimos anos de vida foram em uma residência em São Paulo.

"Já tinha muito tempo que o Bellini enfrentava essa doença. Era uma pena, porque era um ouro de pessoa. Ele se afastou porque já não conhecia mais as pessoas", relembra Flávio Boretti, ex-presidente do Itapirense e amigo de Bellini.

Milton Neves relembra trajetória de Bellini em "Que fim levou?"

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos