Com liminar, Icasa fala até em 'força policial' para parar Brasileirão

Guilherme Costa, Pedro Lopes e Rodrigo Mattos

Do UOL, em São Paulo

Depois das vitórias da CBF no Caso Lusa, o Brasileirão volta a ser alvo de dúvida, quatro dias antes do seu início: nesta terça-feira, a Justiça do Rio de Janeiro concedeu liminar ao Icasa-CE, dando à CBF 24 horas para incluir o clube na Série A, sob pena de pagar multa diária de R$ 100 mil.

Além disso, segundo o advogado do clube, Carlos Eduardo Guerra, em caso de descumprimento da decisão, até força policial poderia ser utlizada para paralisar e anular as primeiras rodadas da competição.

"A decisão da Justiça tem que ser cumprida, se descumprir, qualquer ato do campeonato é nulo. Espero que não exista necessidade disso, mas podemos usar até suspensão de jogos ou força policial, se necessário", disse Guerra.

A paralisação antes da rodada de abertura, porém, é improvável. O Tribunal de Justiça do Rio terá recesso durante o feriado de Páscoa, e dificilmente alguma atitude mais drástica acontecerá até lá.

O Icasa terminou a Série B na quinta colocação, um ponto atrás do Figueirense. O clube catarinense, porém, escalou o jogador Luan de forma irregular – ele ainda tinha contrato com outro clube. A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva constatou a irregularidade, mas não agiu por considerar o caso prescrito (que o prazo para entrar com ação tinha expirado).

"A procuradoria ficou com esse processo 50 dias e mandou arquivar, sem nem analisar o mérito", diz o advogado da equipe cearense.

A juíza da 4ª Vara Cível da Barra da Tijuca, Érica de Paula Rodrigues da Cunha, acolheu a tese de que a CBF agiu politicamente ao não aplicar uma punição, e questionou a diferença de tratamento em relação ao caso da Portuguesa.

"Os autos foram indevidamente arquivados, sob a alegação de prescrição, adotando conduta totalmente diversa à do caso Portuguesa X Fluminense; que caberia ao órgão julgador, e não ao Procurador, a análise da prescrição, acreditando o autor que a atitude foi tomada por motivos políticos, tanto para preservar a 1ª ré do descrédito perante a mídia e a opinião pública quanto pelo fato de o autor não integrar a elite do futebol brasileiro, pois chegaria à Série A apenas pela primeira vez. Tendo em vista as alegações iniciais, às quais tenho por bem atribuir verossimilhança, bem como considerando que se faz necessária a aplicação do princípio da isonomia, equiparando-se os casos análogos ocorridos no ano de 2013 à hipótese ora em comento, constata-se, a princípio, que o autor deveria ao menos ter tido a oportunidade de apreciação do seu pedido pelo STJD, o que infelizmente não chegou a ocorrer", diz a decisão.

A vitória conseguida pelo Icasa, porém, não é um bom sinal para a Portuguesa. Pelo próprio argumento da juíza, fica claro que há um entendimento favorável à punição pelo STJD nos casos de escalação irregular de jogadores. No caso do clube cearense, a liminar foi concedida exatamente porque o órgão deixou de punir o Figueirense, ao contrário do que fez com a Portuguesa.

A decisão não fala na saída de nenhum clube da Série A, apenas na inclusão do Icasa. Caso ela não seja revertida até o início do Campeonato Brasileiro, pode forçar a CBF a fazer o campeonato com mais de 20 clubes, para atender a todas as decisões judiciais. Só neste caso, por enquanto, haveria alguma chance de que a portuguesa fosse incluída. Veja o final da decisão:

"Assim, CONCEDO A ANTECIPAÇÃO DA TUTELA JURISDICIONAL requerida da seguinte forma: a) Declaro que o autor terminou o Campeonato Brasileiro Série B 2013 como 4º colocado na tabela, considerando-o, por conseguinte, para todos os efeitos legais, um clube integrante da Série A do futebol brasileiro; b) Determino à 1ª ré que inclua o autor na tabela do Campeonato Brasileiro Série A 2014, em 24 (vinte e quatro) horas, a fim de permitir a sua participação no campeonato e a reorganização dos jogos a tempo. Fixo multa diária de R$ 100.000,00 (cem mil reais) pelo descumprimento".

Em entrevista à ESPN Brasil, o advogado disse que a intenção do clube não é retirar o Figueirense da Série A e sim incluir o Icasa. "Na verdade, queremos que o Icasa entre. Questão do Figueirense é com a CBF. Nosso pedido é para inclusão Icasa, caberá a CBF responder se será um campeonato com 21 ou 20 clubes", disse.

Prazos ameaçam liminar do Icasa

A decisão liminar desta terça-feira diz que o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) expediu ofício à CBF sobre o caso e que a entidade nacional confirmou a irregularidade. "Em vez de proceder ao oferecimento da denúncia, os autos foram indevidamente arquivados", avalia o texto de Érica de Paula Rodrigues da Cunha.

Consultado pelo UOL Esporte, o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, identificou o prazo como principal problema no caso: "Estamos falando de uma infração ocorrida em maio, e a notícia só foi apresentada em 2014. Como você lida com isso? O prazo para uma denúncia é de 60 dias a partir da data da partida".

Segundo Schmitt, os clubes têm responsabilidade de fiscalizar casos como esse. "Se a CBF não consegue identificar uma irregularidade, eles precisam estar vigilantes. Com base nas informações, eu poderia até oferecer uma denúncia e levar o assunto a julgamento. Mas o que complica é o prazo", completou.

O que pode partir do STJD é exatamente o inverso. O tribunal pode denunciar o Icasa por ter recorrido à Justiça Comum. "Precisamos ver se o clube identificou agora ou se preferiu aguardar os resultados, ficou em quinto lugar, viu que não conseguiu a classificação e aí tentou uma medida. Eles esperaram o arquivamento do caso e foram à Justiça Comum. Portanto, correm sério risco de serem punidos de acordo com o artigo 221 do CBJD [Código Brasileiro de Justiça Desportiva], que fala em multa e até exclusão de competição. Mas isso, é claro, somente se a CBF encaminhar documentação para nós", completou Schmitt.

"Fundamento do Icasa é frágil", diz advogado

"O que vai acontecer é o seguinte: os advogados da CBF vão ter trabalho e podem até virar a noite trabalhando, mas seguramente a liminar vai ser cassada. O fundamento do Icasa é mais frágil do que o da Portuguesa", comparou o advogado Gustavo Souza, que é especialista em Estatuto do Torcedor e faz parte da diretoria regional do IBDD (Instituto Brasileiro de Direito Desportivo).

Souza corrobora a tese de Schmitt e aponta o prazo como principal problema do Icasa. "A gente tem uma máxima no direito que é: o direito não socorre a quem dorme. Quando ocorre um ato infracional, você tem um prazo para a procuradoria oferecer denúncia. Se ela não o fizer no prazo, não pode mais", ponderou.

A diferença entre os dois episódios, de acordo com o advogado, é que o STJD denunciou a Portuguesa, mas não ofereceu denúncia contra o Figueirense: "A procuradoria tem autonomia para decidir se vai denunciar. Se eles entenderam que não deviam fazer isso, não cabe ao Poder Judiciário uma intervenção".

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos