Prefeitura diz que Itaquerão foi mais barato que previsto e quer 'desconto"

Gustavo Franceschini

Do UOL, em São Paulo

Fotos do Itaquerão
Fotos do Itaquerão

O custo do Itaquerão para Corinthians e Odebrecht bateu a casa de R$ 1 bilhão. Na avaliação da Prefeitura de São Paulo, porém, o estádio que recebeu a abertura da Copa custou R$ 675 milhões. O valor mais baixo é a explicação para o órgão municipal ter liberado R$ 15 milhões a menos que o previsto para o clube e a construtora, como divulgado pela Folha de S. Paulo no meio da última semana.

A diferença nos números é complexa. A Prefeitura chegou à sua conta com base em um laudo técnico da SEMDTE (Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo). O número obtido pela pasta faz toda a diferença para as contas do Itaquerão, que em tese receberia R$ 420 milhões em forma de CID's (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento).

Na última sexta, a Prefeitura publicou no Diário Oficial a liberação de R$ 405,2 milhões para o Itaquerão, ou 60% dos R$ 675 milhões teoricamente gastos na obra. O percentual é o limite de renúncia fiscal que o poder público pode aprovar para cada projeto. Se a conta passasse dos R$ 700 milhões (outro teto estipulado pela lei), o Corinthians poderia receber os R$ 420 milhões a que tem direito.

A conta ficou menor por dois motivos. O primeiro é que a Prefeitura não considera os gastos com montagem do canteiro de obras. A reportagem apurou com a Odebrecht que foram gastos mais de R$ 100 milhões com alojamentos, estrutura de segurança e convivência dos trabalhadores do Itaquerão, valor ignorado pelo poder público e que faria os CID's atingirem os R$ 420 milhões.

O segundo é que a prestação de contas do Corinthians e da Odebrecht foi incompleta. Via assessoria de imprensa do clube, Andrés Sanchez explicou que faltaram documentos no processo, mas que a burocracia foi resolvida e há a expectativa de que os R$ 15 milhões restantes sejam liberados na próxima semana.

A Prefeitura se limita a dizer que ainda não houve comprovação de gastos superiores a R$ 700 milhões. A reportagem apurou, no entanto, que o valor pode ser atingido se clube e construtora avançarem na papelada daqui em diante.

A liberação do valor é fundamental para o Corinthians, que quer ir ao mercado vender os CID's e minimizar a dívida do estádio. Na avaliação dos gestores do Itaquerão, os papeis, ainda que sejam vendidos com deságio, desafogariam as contas consideravelmente. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos