Fluente em alemão, reforço do Cruzeiro já trabalhou em lavoura de fumo

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Divulgação/Aguante Comunicação

    Fabiano chega ao Cruzeiro e terá que brigar por vaga com Ceará e Mayke

    Fabiano chega ao Cruzeiro e terá que brigar por vaga com Ceará e Mayke

A palavra trabalho não é nova para Fabiano. O lateral direito apenas vai ter que reciclar o significado do vocábulo para se dar bem no Cruzeiro, clube com o qual assinou contrato de quatro anos no fim de 2014. Acostumado às dificuldades do período de criança, ele tem uma história de muita dedicação.

Na infância, teve que aprender a ordenhar vacas, alimentar porcos e cuidar de uma lavoura de fumo ao lado do pai. Por outro lado, tornou-se fluente em alemão e sempre esbanjou estilo com a bola no pé.

O defensor, de 23 anos, tem origem humilde. Nascido em São João do Oeste, no interior de Santa Catarina, está acostumado a trabalhar ao lado dos pais em uma fazenda. Os sulistas chamam o local de 'roça'. As atividades prediletas do garoto eram ajudar o chefe da família com o gado e os suínos.

Antes ainda de contribuir com os familiares no campo, Fabiano aprendeu alemão por conta dos parentes. 93% da população de seu município fala o idioma, e pelo menos 97,5% entende a língua, sendo também uma matéria em sala de aula desde os períodos iniciais do ensino de base. O dialeto utilizado na região catarinense é o Riograndenser Hunsrückisch.

No caso do jogador, o aprendizado se deu por meio dos avós. Na escola, protagonizou cenas inusitadas. Foi alfabetizado em português, mas muitas vezes respondia as professoras na língua europeia. E não era o único. Fator que acarretou na extinção momentânea do idioma nas escolas da região.

Aos 16 anos e apaixonado pelo futebol, o novo reforço do Cruzeiro apareceu no 'Genoma Colorado' em São João do Oeste, projeto realizado pelo Internacional, e chamou a atenção do São Luiz-RS, de Ijuí, onde ficou entre 2008 e 2009.

As boas atuações como zagueiro no time do Rio Grande do Sul fizeram com que Índio, ídolo da Chapecoense na década de 1990, se interessasse pelo jogo de Fabiano. O ex-atacante levou o atleta de volta a Santa Catarina, onde defendeu a equipe da Arena Condá.

"Atuei lá em campeonatos da base. Estava para ser promovido aos profissionais. Um dia que voltei para São João do Oeste surgiu o Índio. Ele quem me levou para a Chapecoense, ainda na base também, devido à minha idade", conta o atleta.

No clube de Santa Catarina, destacou-se e conseguiu atuar na elite do futebol nacional. Após um ano defendendo a agremiação na Série A, chamou a atenção do bicampeão brasileiro e recebeu uma oportunidade. Agora ele terá que provar tudo novamente para seguir recebendo chances.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos