Ex-prefeito do Rio acusa Paes de fechar Engenhão para beneficiar Maracanã

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Bernardo Gentile/UOL

O ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia soltou o verbo nesta sexta-feira. Em entrevista à Rádio Brasil, o político abriu o jogo e acusou o atual prefeito da cidade, Eduardo Paes, de interditar o Engenhão em 2013 para beneficiar o Maracanã, que reabriu naquele ano e precisava fechar contrato com dois clubes - no caso Flamengo e Fluminense.

Segundo César Maia, o laudo que revelou um problema na cobertura do Engenhão não se sustenta e foi criado com o único objetivo de beneficiar o Consórcio Maracanã.

"Foi tudo invenção para parar o Engenhão e os clubes que tinham contrato terem que assinar com Maraca", disse em entrevista por e-mail à Rádio Brasil. "Único contra foi consultor contratado pela Odebrecht para o Maracanã. Depois, houve várias ventanias e nada", concluiu.

Explica-se. Com o Maracanã fechado para obras para receber a Copa do Mundo, o Engenhão se tornou o principal estádio do Rio de Janeiro sendo utilizado como casa de Botafogo, Flamengo e Fluminense.

Com o fim da reforma, o Maracanã precisava fechar com no mínimo dois clubes para manter o Consórcio como administrador e não ser obrigado a realizar nova licitação.

O problema é que Flamengo e Fluminense, principais alvos do Consórcio, estavam satisfeitos com o Engenhão e tinham um importante trunfo para negociar melhores condições em seu contrato com o Maracanã. Tinham.

Em 26 de novembro de 2013, a Prefeitura revelou um estudo de uma empresa alemã que condenava a cobertura do Engenhão, que foi interditado. Sem a casa do Botafogo, Flamengo, Fluminense e até mesmo o Alvinegro firmaram acordo com o Consórcio Maracanã.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos