menu

UOL Esporte

futebol

Futebol

Como o Fluminense pretende pagar estrelas mesmo sem a Unimed?

Rodrigo Paradella
Do UOL, no Rio de Janeiro

  • NELSON PEREZ/FLUMINENSE F.C.

    Mesmo sem a Unimed, o ídolo Fred assinou renovação de contrato até o fim de 2018

    Mesmo sem a Unimed, o ídolo Fred assinou renovação de contrato até o fim de 2018

Mesmo sem a parceria da Unimed desde o fim do ano passado, o Fluminense mantém jogadores importantes com contratos longos e caros e pretende aumentar os salários de outros pilares do elenco. A lista tem Fred, Diego Cavalieri e Gum, que assinaram recentemente por quatro anos, e Jean e Wagner, que devem receber aumentos em breve. Com tantas despesas e sem o mecenas de antes, como o clube das Laranjeiras quer fazer essa conta fechar?

Para começar, o Fluminense correu para minimizar a saída da patrocinadora com a chegada de novos parceiros. Os acordos de Viton 44 (das bebidas Mate Vitton, Guaravita e Guaraviton) e Frescatto, somados, chegam a R$ 18 milhões anuais. O número ainda está bem abaixo dos cerca de R$ 30 milhões da Unimed, mas certamente é um ponto de partida para a nova fase.

O próximo passo é tentar aumentar essa arrecadação com a chegada de uma terceira empresa, que estamparia sua marca nas mangas do uniforme por cerca de R$ 6 milhões. O Fluminense também não descarta comercializar o espaço no shorts, tudo para reduzir ao máximo a diferença em relação aos tempos de Unimed.

Na montagem do elenco, a saída encontrada para economizar foi valorizar uma espécie de espinha dorsal estelar em uma equipe recheada de apostas e revelações da base. Assim, o clube se livrou de jogadores caros como Bruno, Carlinhos, Rafael Sóbis, Valencia, Diguinho e Cícero, o que desonerou sua folha de pagamentos. Em contrapartida, conseguiu manter Fred, Cavalieri e companhia, os astros que mais lhe interessavam. 

Conca, a maior perda, faria parte deste planejamento, mas preferiu voltar à China apesar da proposta de um novo contrato em que o Tricolor assumiria parte dos pagamentos que deveriam ser feitos pela Unimed Rio. A decisão do argentino pela saída se contrapôs à de Fred, que estava na mesma situação, quis ficar e ganhou a confiança do técnico Cristóvão Borges. 

"Ficou claro o trabalho que a diretoria está fazendo para manter os jogadores. Perdeu-se um patrocínio importante, mas o Fluminense está se reerguendo. E a renovação dele não é simples. O Fluminense conseguiu fazer isso e mostra que trabalha para continuar no caminho para ter a mesma força. Claro que a renovação dele é importante e influencia em todos os aspectos. Não se ganha nada se não tiver bom ambiente e liderança. E aqui temos isso. Jogadores que puxam para cima. Fred é um deles", disse o treinador.

As categorias de base, por sua vez, serão de grande valia para o Fluminense nesta nova realidade. Além de completar o elenco principal com jogadores como Michael, Igor Julião e Rafinha, entre outros, Xerém ainda dá matéria-prima para que o clube possa vender uma de suas três joias (Kenedy, Marlon e Gérson) por um alto valor, o que equilibraria o caixa das Laranjeiras.

Gérson e Kenedy já estão na mira de grandes clubes europeus com o bom desempenho no Sul-Americano Sub-20. O primeiro é monitorado por Juventus-ITA e Barcelona, enquanto o atacante já foi sondado até pelo Real Madrid no passado recente.

O Fluminense também esperava um aumento exponencial no número de sócios-torcedores, o que aumentaria a receita do clube. O departamento de marketing do clube, no entanto, tem tido dificuldades para alavancar o projeto, que hoje conta com pouco mais de 23 mil associados. A meta considerada ideal é de 50 mil.

Já com a sua nova cara, o Fluminense encara o Bangu no domingo, às 17h, em sua estreia no Maracanã na temporada, em partida válida pela terceira rodada do Campeonato Carioca. O time tem o desfalque confirmado do lateral direito Renato, com um estiramento no músculo posterior da coxa direita.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

Mais comentários