Topo

Futebol


São Paulo muda de ideia e consulta técnico colombiano

AFP PHOTO/Raul ARBOLEDA
Juan Carlos Osório assumiu o Atlético Nacional em 2012 e conquistou a Colômbia Imagem: AFP PHOTO/Raul ARBOLEDA

Guilherme Palenzuela

Do UOL, em São Paulo

2015-05-20T06:00:00

20/05/2015 06h00

A diretoria do São Paulo mudou de ideia sobre esperar o meio do ano para contratar um treinador e tenta definir de forma rápida, agora, o sucessor de Muricy Ramalho. Depois de reuniões da internas, um dos nomes que interessam é o do colombiano Juan Carlos Osório, 53, do Atlético Nacional (COL). Ele já recebeu uma primeira consulta.

O São Paulo ainda não negocia. Está atualmente na etapa de discussão interna enquanto colhe informações do mercado. Há uma nova lista de candidatos elaborada pela diretoria. Desta vez, composta por nomes que poderiam assumir o time agora, e não a partir de julho. 

Além de Juan Carlos Osório, há outros poucos nomes. Ao contrário do que aconteceu logo após a saída de Muricy Ramalho, quando a diretoria não tinha perfil traçado para a sucessão, dessa vez há um modelo definido: o técnico terá de trabalhar verticalmente com a base, revelando e formando jogadores, sem contratar atletas experientes e gerando receita com o futebol. Dessa nova lista de candidatos faz parte também o nome de Vagner Mancini, 48, que na avaliação do São Paulo tem tal perfil. O nome, no entanto, está longe de ter a aceitação que tem Osório neste momento.  

O que inspira o São Paulo a conversar com Osório é o trabalho desenvolvido pelo colombiano no Atlético Nacional. Depois de assumir em 2012, ele transformou um clube que não disputava títulos no maior da Colômbia, desenvolvendo jogadores já formados, como o volante Alexander Mejía, o lateral Stefan Medina e os meias Edwin Cardona e Sherman Cardenas. Foi campeão da primeira fase do Campeonato Colombiano em 2013, e venceu primeira e segunda fase em 2014. Levantou também os troféus das duas últimas edições da Copa da Colômbia.

O São Paulo já fez um primeiro contato com Osório. O clube ainda aguarda uma definição interna entre o presidente Carlos Miguel Aidar e o vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro, que ainda precisam decidir se abrirão negociação com o colombiano.  

Neste momento o Atlético Nacional acaba de ser eliminado pelo Emelec (ECU) nas oitavas de final da Copa Libertadores, como o São Paulo. O clube ainda disputa a primeira fase do Campeonato Colombiano, atualmente no octogonal final – enfrenta o Deportivo Cali entre os próximos dias 20 e 24, e o torneio tem data para terminar em 7 de junho.

No Atlético Nacional, Juan Carlos Osório enfrentou o São Paulo e duas ocasiões. Na primeira, foi derrotado por Muricy Ramalho nas quartas de final da Copa Sul-Americana de 2013. Na segunda, na edição de 2014 da mesma competição, eliminou o São Paulo na semifinal – perderia o título para o River Plate (ARG).

Antes de comandar o Atlético Nacional, Osório foi treinador do Puebla, do México, em 2011, e do Once Caldas, pelo qual também conquistou a segunda fase no Campeonato Colombiano, em 2010. O técnico também treinou o Red Bull New York e o Chicago Fire, nos Estados Unidos, depois de começar pelo Millonarios, em 2006. Juan Carlos Osório se formou como treinador na Inglaterra, depois de seis temporadas como auxiliar técnico do Manchester City, entre 2001 e 2006.

Dentro da diretoria são-paulina, a avaliação do trabalho de Milton Cruz como interino é positiva. Argumenta-se que o time reagiu, fez as melhores partidas de 2015 e conseguiu vencer Corinthians e Cruzeiro no Morumbi. A derrota para a Ponte Preta em Campinas, no entanto, foi mal digerida. A análise da cúpula é que a equipe não mostrou vontade e capacidade para reagir após a derrota para o Cruzeiro, o que preocupa para a sequência do Brasileirão.

O que também ajudou a apressar a escolha por técnico é que nos últimos dias o São Paulo recebeu sinal negativo de Jorge Sampaoli sobre a hipótese de assumir o clube depois da Copa América. Segundo a diretoria do São Paulo, o argentino sinalizou que tem compromisso com a federação chilena para disputar as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, e que não poderia deixar o cargo no início de julho.

Mais Futebol