Topo

Futebol


Valcke teria participado de venda ilegal de ingressos na Copa, diz jornal

AFP PHOTO/ NELSON ALMEIDA
Jerome Valcke teria faturado 2 milhões de euros com repasse ilegal de ingressos Imagem: AFP PHOTO/ NELSON ALMEIDA

Do UOL, em São Paulo

2015-09-17T12:11:51

17/09/2015 12h11

O secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, está sendo acusado de participar de esquema ilegal de vendas de ingressos na Copa do Mundo no Brasil. É mais uma denúncia que mancha a imagem do dirigente da entidade e foi divulgada a alguns veículos de mídia do mundo, entre eles os jornais o "Estado de S. Paulo" e o "Guardian". Mas ainda não há provas de que ele lucrou de fato com entradas do Mundial: ele nega qualquer irregularidade.

As acusações partiram da empresa JB Sports & Marketing que tinha um contrato para fornecimento de ingressos da Copa com a Fifa. O sócio da agência Benny Alon afirmou aos jornais ter feito um acordo com Valcke para vender os ingressos do Mundial com ágio de 200% no mercado negro. Em troca, segundo o empresário, a JB Sports e Valcke dividiriam os lucros meio a meio.

Para provar suas afirmações, Alon mostrou uma série de e-mails trocados com Valcke em que negocia os bilhetes. Os e-mails indicam que o secretário-geral poderia ser beneficiário do esquema de ingressos. Só que os documentos estão incompletos e poderiam ter dupla interpretação. Não fica claro se o dirigente ficou com parte do dinheiro. Certo é que tinha uma relação com o empresário israelense.

Segundo o empresário disse ao "Estadão", ingressos dos três jogos iniciais da Alemanha, normalmente vendido a US$ 190, eram negociados com anuência de Valcke por US$ 570. Jogos das oitavas, que custavam US$ 230, eram comercializados por US$ 1,3 mil. Na versão de Alon, para despistar, Valcke usava a palavra "documentos" para falar em "dinheiro vivo".

O empresário ainda afirmou ter levado uma mala de dinheiro com US$ 250 mil para Valcke na sede da Fifa. Mas, por conta de compromissos, o dinheiro nunca teria sido entregue e voltou para o banco. Não há prova documental da existência desta mala.

Ao Guardian, Valcke negou ter obtido ganhos com venda ilegal de ingressos. Sua versão é de que o contrato com a JB Sports foi rompido após constatação de que houve venda de bilhetes acima do preço no mercado negro. E-mails entre o dirigente e o empresário indicam, no entanto, que ele já sabia que havia venda com ágio dos bilhetes.

Esquema azedou após entrada de mais uma empresa

O esquema entre a JB Marketing e Valcke se complicou após tomarem conhecimento das leis brasileiras. Para negociar ingressos do Mundial, era preciso também vender pacotes de hospitalidade. E apenas uma empresa detinha o direito de vender ingressos e pacotes da Copa: a Match, empresa parceira da Fifa, que ganhou esse direito por concorrência.

Portanto, para que a JB Marketing continuasse operando com a Fifa, era preciso envolver a Match, que seria usada para encobrir o esquema. Um acordo foi feito pela Fifa para que a JB fosse substituída pela Match em negociações de ingressos.

Mesmo sem validação, a JB continuou negociando com Valcke. Operações eram feitas em nome da Match. Temendo que as conexões com a JB e Fifa fossem descobertas, o presidente da Match, Jaime Byrom, alertou que a empresa não teria como justificar tantas vendas e transferências de recursos.

A JB entrou em rota de colisão com a Match depois de receber bilhetes em setores que não correspondiam aos acordos iniciais. A carga de ingressos era bem menor que a esperada (8 mil a menos). Por isso, o empresário alega que esses ingressos podem ter sumido. Valcke teria mandado e-mail à empresa combinando local para supostamente entregar os ingressos.

Mais Futebol