Topo

Futebol


Rádio do Grêmio vira 2ª no Ibope com 'clima de arquibancada'. Até na crise

Divulgação
Imagem: Divulgação

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

2015-10-28T06:00:00

2015-10-28T20:59:20

28/10/2015 06h00Atualizada em 28/10/2015 20h59

De gremista para gremista. Este slogan pode muito bem definir as ações da Grêmio Rádio Umbro. Em FM desde o início deste ano, a estação do Tricolor conquistou audiência rapidamente e já ocupa o segundo lugar, em empate técnico com a Rádio Grenal, na última pesquisa de audiência do Ibope entre as rádios que transmitem futebol durante os jogos do time azul, branco e preto. E o avanço é explicado facilmente com o 'clima de arquibancada' proposto pela rádio, que nesta quarta-feira (28) completa 8 anos, contando períodos de web e FM. 

A iniciativa de transformar a web rádio do clube, que transmitia os jogos na internet desde 2007, em uma rádio FM surgiu ainda em 2011. Jogos emblemáticos mostravam o quanto era importante ter um diálogo direto 'de gremista para gremista' na transmissão das partidas. "Precisávamos de uma rádio que falasse o que a torcida sentia. E as rádios comerciais têm seus compromissos. Nós queríamos um canal de comunicação que falasse a língua do torcedor", contou Fábio Ritter, gerente comercial do Grêmio ao UOL Esporte. 
 
Ritter contou, ainda, que a partir de 2012 começou a procurar parceiros comerciais que viabilizassem a ideia. E em 2014 encontrou na fornecedora de material esportivo do clube, a Umbro, o companheira na empreitada. 
 
A rádio passou a transmitir em FM através da frequência 90.3 no início deste ano. As transmissões acontecem apenas durante os jogos, em horário comprado de uma rádio com programação gospel diária. Hoje são oito profissionais de microfone [contando os convidados como ex-goleiro Mazaropi e o ex-meia Carlos Miguel] e mais equipe técnica para transmissão de partidas em casa ou fora. 
 
Só que a ideia de um canal oficial do clube também passa uma imagem oficialista. A Grêmio Rádio jamais criticaria o clube. Errado. Nunca houve veto em coletivas em momentos complicados ou mesmo cobranças foram esquecidas. Afinal, é exatamente isso que ocorre na arquibancada. Os gremistas também criticam o clube quando não concordam com o que acontece. E é o mesmo que a rádio garante fazer. 
 
"Falamos com alma, mas com a mesma cabeça do torcedor. Somos todos gremistas, falando com gremistas. Criticamos também. De forma construtiva, propositiva, mas também criticamos. Não vamos ignorar quando as coisas dão errado", garantiu Beto Carvalho, executivo de marketing do clube. "Por exemplo, no último jogo cobramos quando Walace levou cartão com dois minutos de jogo. Foi um erro dele, não iríamos dizer que era correto", completou Cristiano Oliveski, coordenador de conteúdo e narrador da rádio. 
 
O que diferencia a Grêmio Rádio de uma rádio convencional, então? No meio de uma transmissão pinta um 'vamos, Grêmio', 'nós vamos conseguir o resultado', ou ainda 'não podemos entregar estes pontos agora', algo comum para torcedores, mas raro quando o assunto seria imparcialidade. Ou ainda momentos em que o coração fala mais alto, como quando Ronaldinho Gaúcho enfrentou o clube em 2011, ainda através da internet, o canal de transmissão fez coro com as vaias vindas da arquibancada. Ou ainda o bordão do antigo narrador da equipe, Haroldo Santos, que em vez de gol gritava: "É nosso!", quando era do Grêmio, e "É deles", sem a mesma animação, obviamente, em gols dos rivais.
 
Ainda não há projeto para tornar a programação 24 horas. "Trabalhamos passo a passo", garantiu o executivo de marketing do clube. Mas o apreço dos torcedores é evidente também na resposta do mercado. 
 
São 10 parceiros comerciais e apoiadores e já há propostas de rádios do interior do Estado para formarem cadeia nas transmissões de jogos do Grêmio. Além do resultado nos números. De acordo com a última pesquisa do Ibope, durante jogos do Tricolor, a única rádio que tem mais audiência que a Grêmio Rádio é a Gaúcha. Das outras três que transmitem futebol e são tradicionais no Rio Grande do Sul, Bandeirantes, Guaíba e Grenal, a Grenal aparece em empate técnico e as demais estão atrás. 
 
"Foi uma surpresa maravilhosa. Temos um público segmentado, transmitimos apenas para gremistas, e estar em segundo, é sensacional", celebrou Oliveski. "É tudo fruto do trabalho da equipe que é sensacional. São profissionais que trabalham o dia a dia como guerreiros para dar o melhor para o público. E nos motiva a querer cada vez mais", completou Carvalho. 
 
Surpresa no supermercado

Divulgação
Imagem: Divulgação

A ligação entre profissionais da rádio do clube e torcedores, talvez pela torcida pelo mesmo clube, se tornou mais fácil e rápida do que acontece muitas vezes com rádios convencionais. Tanto que chegou a surpreender o narrador Cristiano Oliveski, e no supermercado. 
 
"Eu estava saindo do supermercado depois de fazer compras, tranquilo, foi quando um torcedor me parou e gritou: Oliveski, Grêmio Rádio, vamo!! [risos] Fiquei muito feliz e surpreso. Não esperava isso. Nas redes sociais a relação é muito boa", contou. "Me param nos jogos, falam comigo, é muito legal, coisas que jamais esperei", completou. 
 
"Acreditamos que há um grande mercado para pautas positivas. As pautas negativas estão um pouco saturadas. Positivos sim, mas não cegos. Este é o pensamento da rádio", explicou Fábio. 
 
Problemas com rivais

As transmissões 'de gremista para gremista' já geraram dois tipos de problemas. Os torcedores de Coritiba, Caxias e Figueirense, por exemplo, não aceitaram os animados gritos de gol nos jogos em que o Grêmio foi visitante. Atiraram objetos contra a cabine da rádio oficial. E ainda no Moisés Lucarelli um repórter foi impedido de trabalhar usando uma camisa com o símbolo do clube. Precisou vesti-la do avesso. 
 
A ideia da rádio oficial tem se espalhado pelos clubes e muitos buscam informações no Grêmio. Santos, Botafogo, Atlético-PR, Flamengo e Corinthians já conversaram sobre manter transmissões nos mesmos moldes do considerado um sucesso pelo Tricolor. 
 

Mais Futebol