Kalil acusa clubes de complô, mas torce por sucesso da Primeira Liga

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/site oficial do Atlético-MG

    Alexandre Kalil explica por que deixou o cargo de diretor-executivo da Primeira Liga

    Alexandre Kalil explica por que deixou o cargo de diretor-executivo da Primeira Liga

Alexandre Kalil explicou, na tarde desta segunda-feira, por que deixou o cargo de CEO da Primeira Liga. A justificativa, segundo o ex-dirigente do Atlético-MG, é simples: havia um complô de cinco clubes participantes do torneio contra o seu trabalho. Ciente de que não agradou a todas as diretorias, ele optou por deixar o cargo.

Embora rechace um retorno à cúpula do torneio que não conta com o apoio da Confederação Brasileira de Futebol, o antecessor de Daniel Nepomuceno na função de mandatário do Atlético assegura que torce pelo sucesso da competição, que será disputada a partir de 2016.

"Cinco clubes, que não vou falar quais são, fizeram um complô contra mim. Por isso, estou fora. Conspiração é assim, feita na sombra. Eu fui pego de surpresa. Mas a Liga é de todos nós. Eu torço demais para dar tudo certo. A chance da minha volta é zero. Não caio em esparrela", comentou.

Alexandre Kalil crê que a sua ausência no posto de diretor-executivo fortalece a Primeira Liga e aponta a desmoralização das agremiações em caso de não acontecimento da mesma a partir da próxima temporada.

"A Liga já está aí. É irreversível. A Liga está pronta. A TV vai comprar. É muito melhor passar um Atlético-MG x Flamengo do que Vasco x Cabofriense. Minha saída fortalece muito a Liga. Se não colocarem essa Liga para rodar em 2016, os 15 clubes saem muito desmoralizados", concluiu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos