Menos receita e longe da torcida: Rio-2016 deixa times cariocas sem 'casa'

Bernardo Gentile e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Renan Rodrigues/UOL

O ano de 2016 será especial para a cidade do Rio de Janeiro, com a realização dos Jogos Olímpicos. O mesmo, no entanto, não se pode dizer para o futebol carioca. Por conta da Rio-2016, os grandes clubes da cidade perderão as duas principais casas para a temporada: Maracanã e Engenhão.

Palco das cerimônias de abertura e encerramento, finais do futel e competições de atletismo, as duas arenas ficarão indisponíveis para os jogos de Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco durante a maior parte de 2016.

Junto a perda dos estádios, os clubes terão problemas na área financeira. Com grandes capacidades, ambos representavam grande fonte de arrecadação nas últimas temporadas – especialmente em 2015, quando ficou aberto em tempo integral.

O primeiro prejudicado será o Botafogo, que entregará o Engenhão à Prefeitura do Rio e ao Comitê Olímpico Internacional já neste início de janeiro. O estádio, que teve água e luz cortados por falta de pagamento, deixará de ser a casa alvinegra.

Sem seu principal local de treinos e jogos, o clube de General Severiano tenta recuperar um antigo espaço para não gastar com custos de outros locais. A ideia da diretoria é utilizara o reformado estádio de Caio Martins para jogos de menor porte. Após uma tentativa mal sucedida de ampliação para 18 mil lugares, o local terá capacidade para 6 mil torcedores.

Em jogos maiores do Estadual, da Copa do Brasil e do Brasileiro, a ideia é utilizar o estádio do Tupi, em Juiz de Fora (MG), onde o clube possui boa torcida.

No Fluminense, sem maiores alternativas, o clube deverá recorrer a soluções estaduais para o Carioca. Estádio de Macaé e Volta Redonda deve receber o Tricolor. Para os jogos da Liga Sul-Minas-Rio, a diretoria também estuda o bem avaliado estádio de Cariacica (ES).

No Flamengo, que sofrerá o maior baque financeiro inicial, a solução deverá ser a mesma para o Estadual. Em jogos maiores, no entanto, o time deve rodar o país atuando em estádios que receberam a Copa do Mundo.

"Perder o Maracanã e o Engenhão é desagradável, mas não representa necessariamente perda de bilheteria. Ao contrário, normalmente conseguimos receita superior jogando fora do Rio. A receita de bilheteria do carioca normalmente é ínfima. Qualquer amistoso rende mais", explicou o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, que já negocia a realização de dois jogos no Nordeste para este mês de janeiro - contra Ceará (21) e Santa Cruz (24) - e projeta uma receita de mais de R$ 2 milhões.

O clube ainda avalia as opções de reformas e ampliações em estádios na Ilha do Governador e em Campo Grande para não ficar longe da torcida carioca. "Os projetos alternativos de estádios ainda estão sendo tratados. Podem ser concretizados ou não", explicou Bandeira.

No Vasco, o prejuízo será menor, visto que o clube tem seu estádio. Em jogos maiores, no entanto, o clube deixará de faturar nas partidas que poderiam ser realizadas no Maracanã – como em 2015. Na última temporada, o clube lotou o principal estádio do Rio em diversas oportunidades e comemorou o fim do jejum de 12 anos de títulos estaduais no local que será fechado no primeiro semestre de 2016.?

Com um mês de preparação dentro de campo e com tempo para negociações, os times cariocas, ainda sem casa, iniciam sua temporada em 31 de janeiro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos