Ambiciosa China sonha alto, e tirar jogadores do Brasil é só um dos desejos

Luiza Oliveira e Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

    A China promoveu a debandada de jogadores do Corinthians. E quer muito mais

    A China promoveu a debandada de jogadores do Corinthians. E quer muito mais

Primeiro, Jadson foi para o Tianjin Quanjian. Depois, Ralf e Renato Augusto fecharam com o Beijing Guoan, e Elias ainda pode sair em breve. Os corintianos estão assustados com o desmanche do campeão brasileiro e a debandada para a China. Lá já estão ídolos de outros clubes: Diego Tardelli e Robinho são dois exemplos. Fato é que a China chegou ao futebol brasileiro de forma avassaladora e está roubando os craques tupiniquins.

Os clubes chineses oferecem cifras milionárias, com salários que chegam a R$ 2 milhões, que seduzem os jogadores e deixam os clubes de mãos atadas. 'Proposta irrecusável' se tornou a expressão da moda.

"Primeiro que, todos nós do clube, fomos surpreendidos com essas saídas porque (...) o futebol chinês trabalha diferente de qualquer outro clube. O futebol chinês se acerta com o atleta, seduz com valores expressivos e o clube toma ciência disso meia hora antes de falar que vai embora. Não existe defesa. Podemos perder cinco, seis, sete, todos que forem requisitados nessa situação", lamentou o presidente do Corinthians, Roberto de Andrade.

O estrago está feito. E a China, que tem tanta tradição no tênis de mesa, no badminton e que ama basquete, agora se apaixonou pelo futebol. Mas de onde vem esse interesse e, mais ainda, de onde vem tanto dinheiro?

O presidente da China, Xí Jìnpíng, tem papel fundamental nisso. Ele é louco por futebol e quer de todas as formas desenvolver a modalidade no país, inclusive por motivos políticos. A China é hoje a segunda maior economia do mundo com um PIB que ultrapassou US$ 4 trilhões. Mas uma potência dessa grandeza não se afirma apenas pelo dinheiro e também precisa expandir o seu poder de outras formas.

"A China já é a maior potência econômica. E agora quer a promoção do país, a divulgação, a penetração em outros lugares. É importante divulgar o país, ser mais bem quisto, conhecido, mostrar a sua cultura para os outros, e uma das formas de se conseguir isso é através do futebol. Olha como os países conseguem angariar em simpatia e penetração com o futebol", revela o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Tang.

Além disso, existem fatores sociais e econômicos que alimentam o interesse pela modalidade. O futebol se tornou um enorme negócio no mundo e que gera altas receitas para todas as partes com ações que vão do marketing à venda de jogadores. A China também está de olho nisso. Com sua população com mais de 1 bilhão de pessoas, gente não falta para consumir o produto e lotar estádios. Já pensou se a moda pega?

O empresário brasileiro Flávio Pires, que trabalha com o mercado chinês há 12 anos e foi o responsável por trazer Zizao ao Corinthians, conta que eles já têm essa visão para negociar e cita o caso de Kieza. O atacante pertence ao Shanghai Shenxin, que já recebeu propostas do São Paulo e do Bahia pela compra dos direitos do atleta, mas está fazendo linha dura para negociá-lo.

"Podemos ver o caso do Japão. O Japão começou a implementar o futebol há pouco tempo e hoje já vende jogador para a Europa. E os chineses têm muita visão, são muito rápidos, até mais que os japoneses na minha opinião. Eles sabem negociar. Veja o caso do Kieza. O time chinês só tem interesse em vender por um valor alto, não quer dar de graça", disse.

De onde vem o dinheiro

Os times na China são de propriedade de grandes empresas privadas. O Guangzhou Evergrande, por exemplo, atual campeão asiático e comandado por Felipão, tem como sócia majoritária a Evergrande Real Estate Group, uma das maiores construtoras do país, e o Alibaba, um gigante da área de comércio eletrônico. Dentre os times da Série A, a maior parte pertence a construtoras, empresas do setor elétrico e estatais.

Essas empresas ganharam 'rios de dinheiro' no período recente de crescimento da China. Com o boom econômico do país, o setor de infra-estrutura precisou acompanhar. Assim, prédios, estradas e metrôs começaram a se proliferar.

"Todo processo de desenvolvimento vem acompanhado por investimentos em infra-estrutura. Quando você está fazendo uma estratégia de desenvolvimento, precisa construir ferrovias, rodovias, portos, energia, fazer uma logística para reduzir os custos de produção e facilitar o escoamento do que é produzido tanto para o mercado doméstico quando para o mercado internacional. O investimento em infra-estrutura beneficia empresas operando no país", conta o economista e professor dos MBAs da Fundação Getúlio Vargas, André Nassif.

Influenciadas pela paixão do presidente pelo futebol, essas gigantes começaram a investir pesado em seus times e, dessa forma, não vêm medindo esforços para oferecer propostas tentadoras aos brasileiros.

"O presidente da China é fanático por futebol, isso fez com que grandes empresas, patrocinadores e donos do times tivessem interesse em inovar o futebol chinês. Quem não quer ser o primeiro empresário de futebol para agradá-lo? Todos os clubes chineses pertencem a grandes empresas, o primeiro que conseguir mostrar que tem um bom time de futebol vai ter o reconhecimento e a gratidão do presidente chinês. Em um país em que o mandato de presidente dura dez anos, isso faz bastante diferença", conta Charles Tang.

CARLOS JR/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Estrelas do Brasileirão, Jadson e Renato Augusto trocaram o Corinthians pela China

Como evoluir no futebol

Para se desenvolver no esporte, a China se inspirou no Japão, que conseguiu dar um salto na modalidade com a chegada de Zico, e também apostou na infra-estrutura. O técnico Sérgio Baresi, que trabalhou por dois anos na base do Shandong Luneng, conta que o CT do clube tem nada menos que 26 campos. E ainda é pouco diante da estrutura do Guangzhou com seus 58 campos impecáveis.

O maior problema do país é a falta de mão de obra qualificada. Por isso, a China vem adotando a mesma estratégia que fez sucesso em outros setores, como o automotivo. Contrata estrangeiros qualificados para primeiro aprender e depois andar com as próprias pernas. A presença é cada vez maior não só de atletas brasileiros, mas também treinadores e profissionais da área esportiva como preparadores físicos e fisioterapeutas a exemplo de Bruno Mazziotti, que trabalhava no Corinthians e se tornou referência na recuperação de atletas.

"No contrato é obrigado a ter um auxiliar chinês para eles irem aprendendo, e com o tempo eles vão ter a própria mão de obra qualificada", conta o técnico Cuca, que recentemente estava no Shandong Luneng.

A ideia é alavancar não só o profissional, mas também formar atletas para brilhar no futuro. Prova disso é que o futebol entrou para o currículo escolar e virou disciplina obrigatória nas escolas.

Onde querem chegar

Os chineses são ambiciosos e sonham grande. Já pensam em contratar grandes nomes europeus e fizeram proposta para ter Arjen Robben, do Bayern de Munique. Mais que isso, pensam em sediar uma Copa do Mundo a exemplo do Japão e da Coreia do Sul, em 2002, e ainda levantar a taça.

"Numa entrevista que eu vi do presidente ele disse três coisas: primeiro que as crianças da China pratiquem futebol, segundo que nós consigamos promover uma Copa do Mundo e terceiro que a gente seja campeão desta Copa do Mundo. Olha a visão do cara, eles têm a intenção de expandir o futebol, têm a estrutura e têm dinheiro. A mão de obra ainda não tem, mas os caras estão buscando", disse Sérgio Baresi.

"Eu acredito que em uma média de 15 anos a China vai competir com a Europa", completou. O técnico Cuca tem a mesma opinião. "Se continuar nesta pegada, a tendência é que em 15 anos a China poderá ser uma das forças do futebol".

Os primeiros efeitos de toda essa aventura já estão sendo percebidos. Esportivamente, o Guangzhou foi campeão asiático, disputou o último Mundial de Clubes e até enfrentou o Barcelona na semifinal da competição. De quebra, encheu os olhos e deu grande visibilidade aos seus proprietários. A população também está mais interessada em futebol.

"Hoje a gente vê as pessoas com camisas de times nas ruas, nos bares vendo jogos, comentando nas redes sociais, coisa que há alguns anos a gente não via", conta Daniel Botura, que mora na China há nove anos e é dono da empresa de importação e exportação DBC Solutions.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos