Fanatismo quase fez novo parceiro de Tevez fugir de amistoso contra o Boca

Do UOL, em São Paulo

  • Alejandro Pagni/AFP

Apresentado nesta sexta-feira como novo reforço do Boca Juniors, o atacante Daniel Osvaldo retorna ao clube pelo qual torce desde a infância com o objetivo de levar a sétima taça da Copa Libertadores para a Bombonera. Prestes a completar 30 anos, ele forçou a rescisão com o Porto e deixou para trás a possibilidade de ganhar salários em euros para reeditar a parceria com Carlos Tevez, seu companheiro de ataque nos tempos de Juventus.

Osvaldo levou 29 anos para realizar o sonho de atuar profissionalmente pelo Boca. No primeiro semestre de 2015, emprestado pelo Southampton, ele fez 11 partidas pelo clube da Bombonera e anotou seis gols. O atacante confessa que, mesmo nos tempos em que atuava por equipes importantes da Europa – casos de Juventus, Roma e Internazionale –, não abandonava a obsessão de vestir a camisa xeneize.

"Ninguém me fez torcedor do Boca. Quando eu era pequeno, via a torcida do Boca, e isso faz com que você não possa torcer para outro time (risos). A Bombonera e a torcida chamam muita atenção, porque tudo isso é místico, gera incredulidade. Sempre que eu vinha ao estádio, tinha uma ideia fixa: olhava os jogadores do Boca e sentia muita inveja, seja como criança ou adulto. Eu já tinha minha carreira feita na Europa, vinha à Bombonera e sentia inveja dos jogadores", contou à revista argentina El Gráfico em março de 2015.

A infância e a carreira de Osvaldo são recheadas de passagens que comprovam seu fanatismo pelo Boca. Nos tempos de garoto, pegava carona de Lanús, na Grande Buenos Aires, até a Bombonera no caminhão do pai de um amigo para acompanhar as partidas da equipe.

Na temporada 2010/2011, quando defendia o Espanyol, entrou em pânico com a possibilidade de enfrentar o Boca em um amistoso. Cogitou a hipótese de não entrar em campo, mas acabou escalado e balançou as redes duas vezes. "Não comemorei os gols por amor ao clube. Seria uma traição", disse.

Após o fim do amistoso, ignorou as ofensas do zagueiro Schiavi – que o responsabilizou por sua expulsão – e fez questão de ir ao vestiário para tirar uma foto com Riquelme, que aponta como o melhor jogador que viu atuar pelo Boca e "um dos maiores da história do futebol". "Consegui a foto, estive um pouquinho no vestiário e queria voltar com eles [para jogar pelo Boca]", revelou.

Osvaldo não concretizou o sonho de atuar ao lado de Riquelme, mas dividirá o ataque em 2016 com Tevez, que também considera um de seus ídolos. Ele conta que, quando atuavam juntos pela Juventus, comiam churrasco "duas ou três vezes por semana e viam os jogos do Boca".

Em Turim, o argentino naturalizado italiano repetia a Tevez que desejava jogar na Bombonera ao lado do amigo, outro fanático pelo Boca. "Com Carlos, tenho uma relação diferente, porque é de amizade. Sempre falamos sobre o Boca. Carlos é mais torcedor do Boca que qualquer um; eu, também. Ele tem muitos amigos que são fanáticos pelo Boca".

Apesar de estar vivendo a segunda parte de seu sonho, nem tudo é motivo de alegria para Osvaldo. Ele espera deixar para trás os problemas com a imprensa argentina, que marcaram sua primeira passagem pela Bombonera.  "Se vocês me ajudarem e me deixarem um pouco em paz, vai ser mais fácil", disse aos jornalistas, durante sua apresentação.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos