PSG aciona rapper britânica na Justiça por presença de camisa em vídeoclipe

Do UOL, em São Paulo

A rapper britânica M. I. A. divulgou nesta segunda-feira uma notificação recebida do Paris Saint-Germain, que pede que um de seus mais recentes vídeoclipes sejam tirados do ar. O motivo: a exibição de uma camisa do clube.

O fardamento em questão aparece no clipe Borders, cuja letra trata da situação de refugiados do norte da África na Europa. Nele, M. I. A. aparece duas vezes vestindo uma camisa do PSG.

No entanto, a peça vestida pela cantora traz uma alteração proposital: o patrocínio da Emirates, companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, surge grafado como Pirates (piratas, em inglês). A mudança enfureceu o PSG, que notificou legalmente a artista.

Em comunicado direcionado a Melissa Battino, representante legal de M. I. A., o PSG pede que as imagens sejam tiradas do ar em até 24 horas a partir da data do recebimento - que, curiosamente, aparece com a data de 21 de dezembro de 2015 nas imagens divulgadas. De quebra, o clube ainda pede uma compensação financeira pelos danos à imagem do clube.

Reprodução
Notificação do Paris Saint-Germain à rapper M. I. A., na qual clube critica associação à crise de refugiados na Europa
"A cantora também publicou uma foto com a letra da canção em sua conta no Tumblr, no qual ela denuncia – assim como em seu videoclipe – o tratamento e as condições de vida dos refugiados que cruzaram o Mar Mediterrâneo para chegar à Europa", diz o comunicado, que vai além.

"Mais do que surpresos, simplesmente não conseguimos compreender porque estamos associados, por nosso distintivo e pela camisa oficial de nossos jogadores, a tal denúncia", completa.

Em sua notificação, divulgada pela própria rapper na íntegra, o PSG destaca seu trabalho social – inclusive com refugiados. O documento lembra a existência da Fundação Paris Saint-Germain, "que, nos últimos 15 anos, se comprometeu à realização de ações sociais".

"No contexto dos refugiados, a fundação fez uma doação de 1 milhão de euros em 9 de setembro de 2015, dos próprios lucros do clube, à instituição francesa de caridade Secours Populaire e à UNHCR", completou, em referência à agência da ONU para refugiados.

Nas redes sociais, M. I. A. esnobou a decisão judicial. "Será que eles não sabem de meu caso com a NFL?", perguntou. Em 2014, a rapper foi condenada por um gesto ofensivo durante apresentação no Super Bowl de 2012.

De quebra, ainda reproduziu mensagens de apoio que recebeu. "É um uniforme. Você nunca falou nada de ruim sobre eles ou algo do tipo", disse uma fã. "O PSG destruiu sua reputação. Você fez a eles um favor usando a camisa", afirmou outra.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos