Vasco traz empresa que mapeia genética dos jogadores com 99,9% de precisão

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Divulgação / Vasco

    Lateral Alan, de 17 anos, tem retirada mucosa da boca para seu mapeamento genético

    Lateral Alan, de 17 anos, tem retirada mucosa da boca para seu mapeamento genético

Futebol e ciência caminham cada vez mais lado a lado, e no Vasco, desde a fundação do Caprres (Centro Avançado de Prevenção, Recuperação e Rendimento Esportivo), isso tem sido levado muito a sério. No início deste ano, por exemplo, o clube contratou uma empresa americana referência mundial em mapeamento genético, que garante oferecer 99,9% de precisão em seus exames.

Através de análises de DNA, retirado da mucosa da boca dos atletas, os profissionais terão os mínimos detalhes de cada jogador.

"Você pega uma cadeia de DNA e ela tem duas extremidades. Essas pontas são estudadas para dar credibilidade ao resultado. Isso é muito difícil e caro de estudar, mas essa empresa que fechamos a parceria nos dá 99,9% de eficácia. Outras empresas só têm 60%. O exame precisa ser eficaz", declarou o coordenador científico Alex Evangelista.

Ao UOL Esporte, o profissional detalhou o que é analisado nestes exames:

"O que isso vai nos dar de resposta? Nós vamos estudar três genes: suplemento, nutrição e atividade física. Isso mapeará o que o jogador precisa para não perder tempo. O quarto gene também será estudado para entender os processos dos outros três".

Os primeiros a serem mapeados geneticamente foram os jovens recém-promovidos da base pelo técnico Jorginho. Embora todo o elenco esteja agendado para os exames, o clube tem dado prioridade aos pratas da casa.

A prática de mapeamento genético já é comum nos times da NBA, a liga norte-americana de basquete. ​

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos