China não pode varrer base brasileira, mas um time consegue 'atalho'

Luiza Oliveira*

Do UOL, em São Paulo

  • Alexandre Vidal - FotoBR

    China investiu forte em brasileiros do futebol profissional, mas não fará o mesmo na base

    China investiu forte em brasileiros do futebol profissional, mas não fará o mesmo na base

A China deixou o futebol brasileiro abismado ao 'fazer a rapa' e contratar atletas a peso de ouro. O campeão brasileiro Corinthians sofreu com o desmanche e só observou a debandada de Renato Augusto, Jadson, Ralf e Gil que agora vão atuar em terras orientais. Se os clubes profissionais sofreram com tanto assédio, como ficam as categorias de base?

Os chineses não vieram ao Brasil prontos para esvaziar as prateleiras dos "terrões" pelo país e tratar os jovens atletas como mercadorias de supermercado. Não podem fazer isso e também não querem. Os jogadores ainda em formação no Brasil não são alvo dos poderosos cofres mandarins porque os clubes preferem atletas experientes que possam agregar e levar conhecimento.

"Eles não estão se aprofundando muito nessa questão da base. O menino jovem ainda está evoluindo, está aprendendo, não tem nem como passar muitos conhecimentos. E, nesse momento, os chineses querem aprender para desenvolver o futebol lá", conta o empresário Flávio Pires, que trabalha com o mercado chinês há 12 anos e foi o responsável por trazer Zizao ao Corinthians.

Além disso, existem leis impeditivas para esse tipo de negócio. A Fifa proíbe transferências internacionais envolvendo atletas menores de 18 anos. Existem pequenas exceções como no caso de os pais do adolescente se mudarem para outro país por motivos não relacionados ao futebol, de países com livre circulação ou de transações entre clubes de países vizinhos sendo que a sede do time, a casa do jovem e a fronteira precisam estar em um raio de até 50 km.

O advogado especializado em causas esportivas, João Henrique Chiminazzo, explica que a entidade máxima do futebol é rígida com esse tipo de fiscalização e tenta preservar não só o jovem, mas mantém o futebol local. Recentemente, o Barcelona sofreu a punição de um ano sem poder fazer contratações e ainda a aplicação de uma multa por descumprir a regra. Há também o emblemático caso de Alexandre Pato que, depois de ser negociado com o Milan, precisou esperar até completar 18 anos e só entrou em campo meses depois.

Além da lei Fifa, o futebol chinês também tem uma regra própria que impede a participação de estrangeiros nos campeonatos locais destinados às categorias de base. "Eles têm esses impedimentos. Os campeonatos na China ainda são escassos, agora que os torneios estão sendo mais bem organizados com o crescimento do futebol profissional. Mas ainda há poucas competições de base e eles precisam incentivar o aproveitamento e o desenvolvimento dos jogadores chineses", explica Geraldo de Oliveira, gerente geral do Desportivo Brasil, clube que foi comprado pelo Shandong Luneng.

Shandong tem atalho para 'bombar' sua base

Apesar de todos os fatores contrários às investidas chinesas nas joias tupiniquins, um time conseguiu um atalho para aproveitar o que a base brasileira pode oferecer. Em abril de 2014, o Shandong Luneng, que disputa a primeira divisão local e os principais campeonatos asiáticos, comprou o Desportivo Brasil da Traffic. O clube paulista tem sede em Porto Feliz e é voltado para a formação de jogadores.

Mesmo com o comando nas mãos, os orientais permitem que o Desportivo continue sendo gerido por brasileiros e dão liberdade para a diretoria tomar decisões. O que eles mais querem é adquirir know-how e fazer com que os atletas da base do Shandong absorvam os ensinamentos.

"Eles veem o Brasil como uma grande oportunidade de aprendizado, veem o brasileiro com muita habilidade técnica. Eles falam muito da ginga brasileira e vêm para buscar isso, como melhorar o jovem chinês nessa questão. Os chineses são muito disciplinados tecnicamente e taticamente, ele é ensinado desde pequeno a obedecer, a seguir o que o treinador fala. O brasileiro é mais indisciplinado, tem uma capacidade maior de improvisar. Então eles falam muita dessa flexibilidade na resolução de problemas, o princípio do improviso", afirma o coordenador técnico do Desportivo Brasil, Rodrigo Pignataro.

O principal projeto é promover intercâmbios e trazer jovens chineses ao Brasil. Grupos de atletas de cada categoria (do Sub-14 ao Sub-17) vão passar períodos no país, treinar e interagir com brasileiros, além de disputar campeonatos. Neste ano ainda, devem chegar os jogadores mais velhos que estão se profissionalizando e já poderão disputar a quarta divisão do Campeonato Paulista pelo Desportivo.

A primeira leva já começou o trabalho. Em novembro do ano passado, 27 atletas do Sub-14 e mais quatro integrantes da comissão técnica desembarcaram em Porto Feliz e ficaram um mês no clube. Agora, voltaram à China para a disputa da Copa Asiática, mas logo devem estar de volta. Os profissionais dos dois clubes pretendem fazer um planejamento conjunto de médio prazo e têm uma meta ousada.

"Nós vamos fazer um planejamento de três a cinco anos para esses jovens chineses. Com 19 anos eles vão estar prontos. Eles devem passar períodos no Brasil e na China e disputar competições nos dois países. Isso ainda está no começo, então não está definido, vamos avaliando aos poucos. Mas o objetivo é colocar um jogador na seleção chinesa e depois exportar para a Europa. A intenção de negociar com a Europa é pela visibilidade em um primeiro momento, colocar a China no cenário mundial. E depois o financeiro vem automaticamente", conta Rodrigo Pignataro.

*Colaborou Vanderlei Lima

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos