Eleição da Fifa vai para 2º turno; Gianni Infantino é o mais votado

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / OLIVIER MORIN

    Gianni Infantino teve 88 votos dos 207 possíveis no primeiro turno

    Gianni Infantino teve 88 votos dos 207 possíveis no primeiro turno

Como já era esperado, a definição do novo presidente da Fifa será conhecida em um segundo turno. Em votação realizada nesta sexta-feira de manhã (horário de Brasília), na sede da Fifa, o suíço Gianni Infantino (secretário-geral da Uefa) teve a melhor votação, à frente do xeque do Bahrein Salman Al Khalifa (presidente da Confederação Asiática).

Gianni Infantino teve 88 votos. Salman Al Khalifa ficou com três votos a menos. O príncipe jordaniano Ali Bin Al-Hussein (vice-presidente da Fifa) teve 27 votos. Champagne teve quatro votos. Jérôme Champagne (ex-secretário-geral adjunto da Fifa) recebeu 7 votos.

REUTERS/Arnd Wiegmann
Representantes de federações da Fifa participam de votação para escolha do presidente da entidade

O returno acontecerá nesta sexta-feira à tarde (horário de Brasília). O candidato que conseguir 104 votos ou mais vencerá a eleição. Se nenhum candidato alcançar 104 votos, será eliminado o que tiver pior votação, havendo um terceiro turno.

O sul-africano Tokyo Sexwale retirou sua candidatura minutos antes do pleito. Ele não tinha nem o apoio de sua confederação. Sexwale destacou que sua presença na campanha eleitoral serviu para levantar a bandeira contra o racismo no futebol. O empresário sul-africano não manifestou apoio a nenhum candidato ao 2º turno.

Favoritos, Gianni Infantino e Salman têm importantes apoios para a disputa do comando da Fifa.

Infantino tem o apoio de grande parte da Uefa (com direito a 53 votos), da Conmebol (10 votos) e de parte da Concacaf (direito a 35 votos).

A CBF foi representada na votação por Ednaldo Rodrigues, presidente da Federação Baiana de Futebol.

Já Salman conta com o apoio maciço da bancada asiática na Fifa, composta por 46 federações, além da promessa de votos do maior colegiado da Fifa: a África, com direito a 54 votos.

Os dois candidatos miram os votos da Oceania (10 votos), além dos votos do 1º turno que foram destinados aos outros rivais. Infantino e Salman também lutam pelos votos que foram dados no primeiro turno a Champagne e príncipe Ali Bin Al-Hussein.

Infantino e Salman tiveram campanhas parecidas. Ambos defendem maior transparência financeira na Fifa. Infantino é favorável ao aumento de seleções na Copa do Mundo (de 32 para 40). Salman diz que batalhará para que as decisões da Fifa sejam democráticas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos