Mico da Copa, trem bilionário que não anda teve 56 vagões inúteis comprados

Vinícius Segalla

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Ex-governador Silval Barbosa gastou R$ 120 mi a mais que o necessário em trens do VLT

    Ex-governador Silval Barbosa gastou R$ 120 mi a mais que o necessário em trens do VLT

A segunda obra de mobilidade urbana mais cara da Copa do Mundo de 2014, o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) de Cuiabá, já consumiu mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos e ainda não chegou nem na metade. O atual governo de Mato Grosso teve que paralisar os trabalhos e contratar uma auditoria diante das evidências de irregularidades e superfaturamento existentes em seu contrato e execução. A obra tem denúncia de direcionamento na licitação, pagamento de propina de R$ 80 milhões, má execução técnica e, agora, a compra inútil de 56 vagões de trem que não terão utilidade no sistema.

Oito composições do VLT, com sete vagões cada, foram compradas sem necessidade pelo ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB), que atualmente se encontra na cadeia, preso na esteira de uma investigação da Polícia Federal sobre fraudes em seu governo. No total, o equipamento inútil custou R$ 120 milhões aos cofres públicos. 

É o que mostra relatório da consultoria KPMG, contratada pela atual administração. O relatório aponta que 32 composições, com 224 módulos, seriam suficientes para operar todo o sistema de transporte, de 23 quilômetros, mas Silval Barbosa comprou 40. O estudo esclarece que padrões internacionais estabelecem que não é possível colocar trens para rodar em um sistema como o que está sendo implantado em Cuiabá com intervalos inferiores a três minutos.

Assim, considerando a quilometragem da linha em obras da capital mato-grossense, seria impossível operar com mais do que 29 composições. Considerando que três poderiam ter sido adquiridas a título de reserva, restam ainda oito composições, ou 56 vagões, que foram adquiridas sem utilidade alguma. Mesmo quando a obra ficar pronta, o que só acontecerá, segundo cálculos do governo atual, a partir de 2020, esses equipamentos serão inúteis. Foi dinheiro jogado fora. 

De acordo com o secretário estadual de Assuntos Estratégicos do atual governo de Mato Grosso, Gustavo Oliveira, a consultoria também revelou erros em outros projetos, mas o governo ainda vai aguardar a versão final do documento, que deverá ser entregue no dia 4 de março, para decidir o que fará com os vagões extras.

Embora aponte uma série de erros na contratação e execução da obra do VLT, Oliveira não afirma que houve má-fé na aquisição excessiva de composições. "Não sei o motivo da compra. Mas a verdade é que a obra foi feita às pressas, sem os devidos estudos, sem pensar no sistema de transporte da nossa capital integradamente. Aprovaram tudo correndo para dar tempo de colocar no programa da Copa do Mundo. Deu no que deu", resume o secretário.

De fato, parlamentares que levaram a cabo a aprovação da obra na Assembleia Legislativa de Mato Grosso chegaram a dizer que o fizeram "na euforia do momento da Copa do Mundo." E, conforme o UOL Esporte revelou já em julho de 2011, o principal defensor da construção do VLT em Cuiabá, o então presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PSD), o fazia por motivos políticos, e não técnicos. Hoje, Riva, assim como o ex-governador Silval Barbosa, é inquilino do Centro de Custódia de Cuiabá.

Marcos Lopes/HiperNotícias
Propaganda do então deputado José Riva (PSD). Hoje, ele está na cadeia


Obras paradas

As obras do VLT estão paralisadas desde dezembro de 2014. Graças a um acordo judicial realizado para que a obra possa ter seguimento sem contestações nos tribunais, o governo tem até o dia 29 de março para entregar à Justiça Federal o estudo técnico de viabilidade de implantação do modal.

A empresa KPMG Consultoria, contratada em novembro de 2015 por R$ 3,08 milhões, realiza estudos que devem apontar a viabilidade do modal, além do cronograma para conclusão da obra, valor tarifário e dinheiro necessário para a finalização do projeto.

Até agora o governo já pagou R$ 1,06 bilhão dos R$ 1,477 bilhão previstos em contrato para o Consórcio VLT. A previsão é de que outros R$ 630 milhões, no mínimo, sejam necessários para concluir a empreitada.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos