Bauza aponta São Paulo sem contundência e dominante em clássico com derrota

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

O treinador Edgardo Bauza analisou a derrota do São Paulo para o Palmeiras, neste domingo, sob um ponto de vista positivo. Apesar do revés de 2 a 0 e da possibilidade de deixar a zona de classificação do Campeonato Paulista, o argentino tentou manter a tranquilidade. 

"Alguns jogos fomos melhores e não ganharam, foram diferentes. O problema maior foi a falta de contundência. O domínio tivemos, faltou converter. Creio que a falta de gols nos impediu de ganhar. Chegamos, perdemos gols. Tivemos uma atitude boa, defensivamente trabalhamos muito, nos organizamos. Nos falta melhorar na frente", comentou Bauza. 

"Acredito que, dentro das possibilidades, estávamos bem. Principalmente no primeiro tempo, quando tivemos o controle do jogo. Salvo os últimos dez minutos, quando Palmeiras chegou. No segundo, estava tudo igual. Com as mesmas características, contra-ataque muda tudo. Deu a chance ao Palmeiras de jogar mais atrás", acrescentou. 

No Pacaembu, o São Paulo foi muito melhor no primeiro tempo e fez um jogo equilibrado nos 45 minutos finais. Bauza tentou aumentar o ímpeto da equipe com as entradas de PH Ganso, Calleri e Centurión, mas o efeito foi reverso. O Palmeiras se agrupou melhor, conteve os são-paulinos e matou o jogo no contragolpe, com Dudu. Já com o rival cabisbaixo, Robinho fechou a contagem. 

Bauza se lembrou que há pouco tempo para correções de uma equipe que não engrena em 2016. O elenco se reapresenta na manhã de segunda-feira e viaja à Venezuela para encarar o Trujillanos na quarta-feira. 

"Não temos tempo. Estamos nos acostumando a falar com o atleta, mostrar vídeos, ocupar o pouco tempo que temos, aproveitar. Em campo, que é o que queria ter, não tenho", disse. 

Ainda em sua análise, ele se mostrou insatisfeito com a atuação de Rogério, de volta à ponta. Por outro lado, elogiou Daniel e João Schmidt, que iniciaram o clássico. 

"Rogério jogou em uma posição onde creio que toda a torcida acredita que joga bem. Para mim, ele joga muito melhor ao meio. Eu já disse. Hoje, por uma questão de necessidade, tivemos que colocá-lo nessa posição onde ele conhece e não foi um grande jogo. Vamos ver se coloco na posição onde acho que ele pode ser útil", comentou. 

"Schmidt fez um muito bom primeiro tempo. Eu depois o vi cansado, e creio que a falta de ritmo complicou um pouco seu jogo. Um pouco parecido a Daniel, que fez um bom trabalho, marcou, tratou de ser o meio ofensivo que pedimos". 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos