WTorre negocia venda de sua participação e saída do Allianz Parque

Pedro Lopes e Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

  • Diego Salgado/UOL Esporte

    Allianz Parque apresentou mudanças em relação à publicidade

    Allianz Parque apresentou mudanças em relação à publicidade

Nos últimos dois anos, a deterioração da relação entre Palmeiras e WTorre é bem documentada. Nos próximos meses, porém, isso pode mudar: o clube e a construtora podem deixar de ter relação comercial no Allianz Parque. O UOL Esporte apurou que um fundo de investimentos procurou a empresa para adquirir sua participação na arena, o que implicaria na saída da parceira do alviverde da operação do estádio.

O Allianz pertence ao Palmeiras, que cedeu à WTorre o direito de uso da superfície por 30 anos. É o direito de explorar o estádio que é alvo de negociação – as principais conversas são com o fundo de investimentos, embora haja outras empresas interessadas.

O presidente da WTorre, Walter Torre, nega as tratativas e desconversa. ""Só falo que não é verdade, sempre vem grupos interessados, e sempre contam vantagens.  Mas conosco, até hoje, nunca apareceu nenhum grupo com interesse de verdade. E nós também, nunca procuramos", afirma. A assessoria de imprensa, por sua vez, afirmou que a construtora não comenta o assunto.

A reportagem apurou, entretanto, que as negociações acontecem há pelo menos cinco meses – inicialmente, a diferença entre os valores oferecidos pelo fundo e pretendidos pela construtora era muito grande, mas caiu bastante nos últimos meses. A oferta do fundo é de R$ 200 milhões, mais assumir dívida da WTorre relativa a financiamento com o Banco do Brasil para a construção do estádio calculada hoje em R$ 460 milhões. A empresa quer um pouco mais.

Existem vários pontos de indefinição, ainda – Palmeiras e WTorre decidem em arbitragem vários direitos sobre a arena, dentre os quais a quem cabe a receita das cadeiras especiais, dentre outros pontos. Uma definição para um lado, ou para o outro, pode alterar o valor do contrato para quem substituir a construtora. Não há qualquer previsão de acordo no futuro próximo, e as conversas devem levar pelo menos mais três meses.

Dívidas

Um fator que influi nas negociações é a situação financeira da Real Arenas, braço da WTorre responsável pelo Allianz Parque. Nos últimos meses, a empresa sofreu diversas ações judiciais de fornecedores e mais de um pedido de falência.

Essa situação fez com que o fundo, que inicialmente pretendia adquirir apenas parte da operação do estádio, passasse a se interessar e negociar para adquirir 100%.

Brigas

A operação precisaria, obrigatoriamente, passar pelo aval do Palmeiras. A relação atual da empresa com o clube é muito ruim – passa pela discussão na arbitragem e envolve até alguns atos de hostilidade.

O clube quer ceder 10 mil cadeiras, enquanto construtora quer ter controle de 100% dos assentos. Além disso, a empresa colocou na discussão o fato dos descontos que são dados pelo Avanti, argumentando que a prática dificulta a venda por um valor maior.

As brigas foram piorando, e, na última semana, a WTorre lançou um programa de venda das cadeiras que chega a concorrer com o Avanti. Pessoas que vivem o dia a dia do estádio relatam que, atualmente, o Palmeiras tem apenas poucas horas antes das partidas para preparar o estádio – antes, chegava a ter mais de 24h.

Além disso, pessoas ligadas ao alviverde relatam dificuldades com calendário de eventos da parceira, e até ameaças de mudança no camarote presidencial, que tem boa localização, na parte central do gramado.

Procurado pela reportagem, o Palmeiras optou por não comentar o assunto.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos