Vice corintiano ganha R$ 13 mil na Câmara e doou para campanha de Andres

Do UOL, São Paulo e Rio de Janeiro

Detido durante algumas horas (e depois liberado) para depor na 26ª fase da operação Lava-Jato acusado de levar propina relacionada à Arena Corinthians, o vice-presidente do clube André Luiz De Oliveira, o André Negão, ganha R$ 12.940 mil no gabinete do deputado federal Andres Sanchez, seu padrinho político. Antes, fizera doações para a campanha do parlamentar. Esses fatos mostram a estreita relação dele com o homem-forte do Corinthians: ambos cresceram juntos até chegar à cúpula do clube.

Em sua origem, André era considerado membro do baixo-clero do clube, com ligação com o ex-presidente Nesi Curi como Andres. Sua inclusão na política era contestada pelo passado assumido de bicheiro e de episódios controversos: chegou a admitir ter levado sete tiros sem saber o porquê.

Com Andrés no poder, passou a ter grande poder sobre a divisão de base do clube. Foi nas categorias interiores corintianas, aliás, que jogava seu filho André Vinícius. De lá, o garoto ascendeu ao profissional e, apesar de nunca ter vingado entre os titulares, ganhava salário de R$ 40 mil até ter seu vínculo rompido aos 24 anos.

Não era à toa. André Negão era considerado o maior cabo eleitoral dentro do Corinthians. E era potencial candidato a presidente após a saída de Roberto de Andrade. Por isso, foi escolhido como 1º vice na chapa do final de 2014.

Na mesma época, ele fez doações de R$ 12.460,00 para a campanha de Andres Sanchez, seja diretamente, seja por meio de sua empresa, a Andre Luiz Participações SS LTDA. Depois, em fevereiro de 2015, o deputado lhe deu o cargo no gabinete.

Fora suas funções parlamentares, e a influência no clube, André Negão não tinha nenhum cargo oficial para lidar com a Arena Corinthians. Na investigação que levou a sua detenção, foi constatado um pagamento de R$ 500 mil com o nome Timão em documentos da Odebrecht. Foi constatado que o pagamento estava ligado a um número de telefone associado ao cartola corintiano.

Dentro do clube, tudo que André Negão fala é considerado como se fosse vindo de Andres. Em um grampo feito pela Polícia Federal, em outra fase da operação da Lava-Jato, Andres afirmava que era um "soldado da Odebrecht". 

Sua declaração foi feita ao ex-diretor da empreiteira Alencar Alexandrinho, um dos que viabilizou o projeto da arena. Alexandrino está preso e era pressionado a fazer delação juntamente com o presidente da empresa, Marcelo Odebrecht. Agora, Antônio Gavioli, diretor responsável pela Arena Corinthians, tem prisão preventiva decretada pela PF.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos