Sem poder de reação, Palmeiras passa longe de ser o "time da virada"

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

O Palmeiras voltou a ser derrotado nesta quinta-feira (24), contra o Red Bull Brasil, em pleno Pacaembu. Com o revés, a equipe alviverde aumentou a sequência de jogos sem vitórias depois de o time sair atrás no placar.

A última virada do Palmeiras ocorreu em setembro do ano passado, na vitória por 4 a 1 sobre o Fluminense no Maracanã. Na ocasião, o volante Jean (hoje no Palmeiras) abriu a contagem para o time carioca. Barrios, porém, foi às redes três vezes -- Gabriel Jesus também deixou o seu no jogo válido pelo Brasileirão. 

Desde então, o Palmeiras disputou 33 partidas oficiais, com 11 vitórias, oito empates e 14 derrotas. O time saiu perdendo em 17 ocasiões, sem nenhuma virada. A equipe, no máximo, arrancou quatro empates depois de sofrer o primeiro gol.

Em contrapartida, o Palmeiras conseguiu inaugurar o placar em 14 confrontos, com 11 vitórias e dois empates. A equipe sofreu a virada diante do Linense, no dia 13 de fevereiro, na quarta rodada do Campeonato Paulista.

Nesta quinta-feira, o Palmeiras sofreu dois gols em quatro minutos, já no fim do primeiro tempo. Na etapa final, Alecsandro diminuiu o placar, mas o Palmeiras não conseguiu sequer empatar o jogo contra o Red Bull.

De acordo com o técnico Cuca, o momento instável contribui para o cenário. Para ele, a sequência de resultados ruins faz o time perder o poder de reação -- com o treinador no comando, são três derrotas em três jogos. 

"O time está muito instável e inseguro, a bola está queimando, passes fáceis que estão errando, não estão com a confiança que o jogador tem que ter. É algo natural pelo momento que o Palmeiras tem vivido", explicou Cuca.
 
O comandante alviverde ressaltou ainda que as substituições realizadas no intervalo deram mais chances à equipe, mas não foram suficientes para o Palmeiras sair com a vitória no Pacaembu.
 
"O time não conseguiu encaixar o gol no primeiro tempo. Tivemos chances claras, mas não fizemos. No segundo tempo, a gente mexeu, pôs o Alecsandro, puxamos o Rafael para trás, depois colocamos o Zé, jogamos o Rafael para o lado, encorpou mais a equipe, mas não foi suficiente", disse Cuca.
 
O goleiro Fernando Prass, por sua vez, afirmou que o time criou chances de gol na etapa final, mas não conseguiu reagir. Para o camisa 1, o time alviverde precisa evitar a situação favorável aos adversários.
 
"É uma situação de jogo: é defesa do goleiro, é bola na trave. No segundo tempo, tivemos volume de jogo muito grande. A gente criou. O problema é esse: a gente está tendo que reagir, temos de evitar isso. É complicado virar contra equipes que estão acostumadas a jogar com essa proposta de se fechar e usar o contra-ataque. Temos de ter mais atenção no primeiro tempo para precisar não correr atrás no segundo", finalizou Prass.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos