Mexicanos estrelam campanha que pede o fim de gritos homofóbicos no futebol

Do UOL, em São Paulo

Os jogadores da seleção mexicana deram um passo importante nesta terça-feira para acabar com os insultos homofóbicos nas partidas de futebol. Chicharito, Héctor Herrera, Chuy Corona, Rafa Márquez, entre outros, gravaram um vídeo para estimular os torcedores a não gritarem para os goleiros adversários a palavra "puto", uma forma desrespeitosa para se referir aos homossexuais, nos instantes que antecedem os tiros de meta.

"Abraçados pelo futebol", a campanha lançada pela Federação Mexicana de Futebol, traz apelos dos atletas para que ninguém seja discriminado e que as diferenças sejam respeitadas. Apesar de não haver no vídeo uma referência clara à homofobia, as discussões sobre o tema se intensificaram durante a última edição da Copa do Mundo.

De um lado, estavam os que consideravam a provocação aos goleiros um folclore do futebol nacional. As vozes dissonantes alertavam para o perigo de que manifestações racistas e homofóbicas se tornassem cada vez mais comuns em estádios de futebol.

A intenção dos dirigentes mexicanos é que os gritos de "puto" não sejam ouvidos durante a campanha da seleção nacional nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

Em janeiro deste ano, a Federação Mexicana de Futebol recebeu uma multa de mais de 20 mil dólares (cerca de R$ 72 mil) por não fazer nada para evitar os cânticos homofóbicos durante uma partida contra El Salvador. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos