Santos prevê mais casos de multa e diz que Fifa "ficará mais rica do que é"

Danilo Lavieri e Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

  • Luiz Fernando Menezes/Folhapress

    Modesto Roma Jr.falou sobre a multa da Fifa recebida pelo Santos a terça-feira

    Modesto Roma Jr.falou sobre a multa da Fifa recebida pelo Santos a terça-feira

O presidente do Santos, Modesto Roma, manifestou-se nesta quinta-feira, durante reunião de clubes interessados em disputar a Liga das Américas, sobre a multa que o clube da Vila Belmiro recebeu da Fifa por usar empresas terceiras em negociações de atletas e aquisições de porcentagens de direitos econômicos de jogadores - o caso é referente à venda de Neymar ao Barcelona.

Segundo o mandatário, mais casos como esse vão aparecer, já que antigamente não era proibida a negociação com terceiros. Modesto Roma disse ainda que, diante destes novos casos, a Fifa vai acabar ficando 'mais rica do que já é'.

"A multa é sobre o Neymar, mas a Fifa não fala o nome de terceiros que estariam envolvidos. Os advogados estão preparando a defesa. O Santos não vendeu fatia do Neymar para a DIS, quem vendeu foi o jogador. Acredito que mais casos devem aparecer no Santos e em outros clubes porque não era proibido negociar com terceiros. A Fifa vai ficar mais rica do que é", disse o presidente Modesto Roma em entrevista ao UOL Esporte.

Já com a defesa engatada, o Santos alegará que os supostos terceiros envolvidos, a DIS, braço esportivo do Grupo Sonda, e a Teisa, não participaram da negociação e, por isso, entraram com ação na Justiça por desconhecerem os detalhes da venda que levou o atacante ao clube catalão em 2013.

Em 1º de maio de 2015, entrou em vigor determinação que proíbe a participação de investidores nos direitos econômicos de jogadores de futebol. A nova medida é uma atualização do artigo 18 do Regulamento de Transferências da Fifa, de 2008.

No artigo de 2008 já era proibida a participação de terceiros na relação de trabalho entre clube e jogador, além de informações sobre as condições de transferências do atleta para outro clube.

A Fifa também multou o Sevilla, o Sint-Truidense (da Bélgica) e o Twente (da Holanda) por ingerência de terceiros em contratos firmados.

Segundo a Fifa, a medida de impedir a participação de investidores visa dar maior autonomia aos clubes, fortalecendo suas receitas. Mas empresários buscam estratégias para driblar a regra. É possível, por exemplo, que um empresário compre um clube, sendo ele o responsável direto pelos direitos dos atletas, como acontece com o PSG e Chelsea.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos