Contrato assinado por Gianni Infantino é localizado nos "Panamá Papers"

Do UOL, em São Paulo

O nome do novo presidente da Fifa, Gianni Infantino, apareceu no material divulgado dos "Panamá Papers". De acordo com o que noticiou nesta terça-feira (5) a BBC, o dirigente assinou um contrato com dois empresários que foram acusados de suborno.

Os indivíduos em questão são Hugo e Mariano Jinkis, que compraram os direitos de TV da Liga dos Campeões e os venderam por quase o triplo do preço original. O contrato foi assinado por Infantino em 2006, quando ele ainda era um diretor da Uefa.

De acordo com os registros da investigação, a Uefa concluiu ofertas de offshore com figuras da Fifa envolvidas em escândalos de corrupção responsáveis pela queda do ex-presidente Joseph Blatter. Os contratos teriam sido assinados por Infantino, recentemente eleito presidente da entidade máxima do futebol internacional.

A Uefa nega irregularidade entre seus funcionários ou outros parceiros de marketing. A Fifa também insiste que Infantino não tem nenhuma relação com os dirigentes investigados e suas empresas.

A Panama Papper aponta que Infantino vendeu os direitos de transmissão sobre a Liga dos Campeões, Liga Europa e Supercopa Europeia para a empresa argentina Cruz Trading, que os repassou à emissora Teleamazonas pelo quadruplo do preço.

Além de Infantino, aparece na investigação o nome do ex-presidente da Uefa, Michel Platini, além de personalidades de fora do futebol, como o presidente da Rússia, Vladimir Putin e o diretor de cinema Pedro Almodovar.

Horas após a publicação da notícia da BBC, o presidente Gianni Infantino emitiu um comunicado oficial desmentindo qualquer envolvimento nos contratos que estão sendo investigados e ressaltou não aceitar os ataques a sua integridade.

Confira o comunicado na íntegra:

"Eu estou consternado e não irei aceitar que a minha integridade seja colocada em dúvida por certos veículos de mídia, especialmente após a UEFA ter revelado todos os detalhes envolvendo estes contratos.
 
Do momento em que tomei ciência dos últimos questionamentos da mídia relacionados ao tema, eu imediatamente contatei a Uefa para buscar esclarecimentos. Eu fiz isso porque não estou mais com a Uefa, e são eles que possuem exclusivamente todas as informações contratuais relacionadas aos questionamentos. Neste meio tempo, a Uefa anunciou que está conduzindo uma revisão em seus inúmeros contratos comerciais e já respondeu extensos questionamentos da mídia relacionados a esses contratos específicos.
 
Como eu já havia dito anteriormente, eu nunca negociei pessoalmente com a Cross Trading e nem seus proprietários, já que o processo foi conduzido pela equipe de marketing da Uefa. 
Gostaria de declarar que nem a Uefa ou eu estivemos em contato com nenhuma autoridade relacionada a estes contratos. 
 
Além disso, conforme a própria mídia publica, não há nenhuma indicação de qualquer tipo de atitude ilícita minha ou da Uefa nesta questão". 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos