R. Oliveira está encantado com Dunga e diz que atletas não estão tranquilos

Samir Carvalho

Do UOL, emSantos (SP)

  • AP Photo/Jorge Saenz

    Atacante rasga elogios a Dunga e vê responsabilidade maior dos atletas da seleção

    Atacante rasga elogios a Dunga e vê responsabilidade maior dos atletas da seleção

O atacante Ricardo Oliveira pelo jeito discorda de muitos brasileiros quando o assunto é seleção brasileira. O capitão do Santos aprova o trabalho do técnico Dunga, que sofre forte pressão após empatar os dois últimos jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 – contra Uruguai e Paraguai - e deixar o Brasil fora da zona de classificação. O atacante, inclusive, ressalta que está encantado em trabalhar com o treinador.

"Eu fico encantado em trabalhar com o Dunga. Penúltima vez foi no Milan, em 2007, jogo amistoso. Até então nunca mais tinha feito parte da seleção, foi com ele (Dunga) que voltei e estou participando bem. Essa cobrança é pela falta de resultados, infelizmente futebol é assim. Acho que nós vamos crescer muito, e a gente entende que tudo que o Dunga está fazendo é para jogarmos bom futebol, acima de tudo. Ele sabe do material que tem nas mãos, jogadores de alto nível, que podem render o que vocês e todos nós esperamos", afirmou Ricardo Oliveira.

Entretanto, Ricardo Oliveira reconhece que a seleção brasileira precisa melhorar o coletivo para amenizar a pressão. O artilheiro alega que os jogadores não estão tranquilos por causa da situação do Brasil nas Eliminatórias e avisa que o grupo não estão com medo de encarar a crise.

"É normal esse tipo de pressão, por ser seleção, cinco Copas do Mundo. Temos que entender, absorver e procurar crescer. Não estamos tranquilos, mas não estamos com medo. Eu tenho um ponto de vista diferente. O que deixa de fato evidente é que nós precisamos melhorar muito como coletivo, precisamos crescer como equipe. E o fato de estar se falando em cobrança, essas coisas, não se pode esperar menos da seleção brasileira", declarou.

"Hoje existe uma cobrança muito grande, talvez ainda por causa da Copa e as pessoas querendo ver a seleção jogando bem, assim como nós e comissão técnica querem. Isso não é positivo para os atletas, entendemos que somos os principais responsáveis. Não vou me esconder atrás do time não jogar bem. Nunca faço isso e nem nunca vou fazer. Temos responsabilidade de fazer boas apresentações", completou.

Com os empates contra Uruguai e Paraguai, o Brasil caiu duas colocações e terminou a sexta rodada das Eliminatórias Sul-Americanas na sexta colocação, empatado com o Paraguai com 9 pontos. A última seleção dentro da zona de classificação é a Colômbia, com 10 pontos. O Uruguai lidera a competição com 13 pontos após derrotar o Peru nesta terça (29). 

Agora, o Brasil voltará a campo pelas Eliminatórias da Copa apenas em setembro, quando enfrentará o Equador e, na sequência, a Colômbia.

"Existe um certo pessimismo. Se não empatássemos contra o Uruguai, a situação era outra. Segundo tempo contra o Paraguai foi bom, e quase fizemos o terceiro gol. Acredito que mais cinco minutos faríamos o terceiro. Dois empates, fora da zona de classificação. Existe um pessimismo de várias pessoas, mas não em nós. Sabemos da nossa capacidade. Precisamos melhorar em todos os sentidos", concluiu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos