Como Cuca mudou o Palmeiras em oito jogos. Entenda a estratégia do técnico

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras

    Cuca orienta o Palmeiras contra o Rio Claro, na primeira vitória no clube

    Cuca orienta o Palmeiras contra o Rio Claro, na primeira vitória no clube

Cuca chegou ao oitavo jogo à frente do Palmeiras no último domingo, na vitória por 2 a 1 sobre o Mogi Mirim. Após uma série de quatro derrotas seguidas nos primeiros jogos, o treinador conseguiu levar o time a um período de estabilidade.

No Campeonato Paulista, por exemplo, o Palmeiras se classificou às quartas de final depois de ser lanterna do Grupo 2 -- nessa reabilitação, a equipe venceu o Corinthians por 1 a 0. Na Libertadores, o time alviverde ganhou sobrevida ao arrancar um empate por 3 a 3 com o Rosario Central na Argentina.

Nas duas ocasiões, Cuca mudou o esquema tático do Palmeiras, adequando-se ao adversário. Diante do Corinthians, o treinador conseguiu anular as principais jogadas de ataque do rival. Para isso, escalou o time no 4-4-2 contra o famoso 4-1-4-1 de Tite.

Contra os argentinos, apenas três dias depois, Cuca mudou a disposição dos atletas em campo ao escalar três zagueiros, no 3-4-1-2. Com isso, o comandante palmeirense neutralizou as investidas dos dois atacantes.

Linha de quatro no meio-campo ajuda em dois aspectos

Cuca estreou no Palmeiras no dia 17 de março, contra o Nacional, no Uruguai. Naquela oportunidade, o treinador implantou o 4-4-2. Pouco mais de duas semanas depois, ao variar entre o 4-1-4-1 e o 4-2-3-1, o treinador voltou a escalar duas linhas com quatro.

Reprodução

A ideia era neutralizar as principais peças corintianas. Como complemento, Arouca e Gabriel exerceram marcação individual em Elias e Guilherme, respectivamente. Ao fim do jogo, Cuca elogiou a postura do time.

"Trabalhamos saída de bola, infiltração dos dois meias-pontas para passagem dos laterais. O time jogou bola. Faltou um pouquinho o último passe, isso podemos melhorar um pouco, mas hoje não podemos reclamar de nada. O que vimos em campo foi um time com qualidade tática e técnica, também", disse.

Aproximação ajuda a criar triangulações

Cuca ressaltou a infiltração dos meias pelos lados -- no caso, Zé Roberto e Robinho. Diante do Rosario, os dois alas foram responsáveis pela ocupação desses espaços. O fato possibilitou o surgimento de triangulações. Para isso, o Palmeiras encurtou espaços entre as linhas, entre os três zagueiros, a linha de quatro, o meia e dos dois atacantes.

Reprodução

Liberdade para os laterais ou alas

Mesmo atuando com quatro atletas na defesa diante do Corinthians, Cuca deu liberdade aos laterais. Logo no começo da partida contra o Corinthians, Egídio e Jean atacaram ao mesmo tempo, posicionando-se dentro da área do rival.

Reprodução

Três zagueiros contra esquemas com dois atacantes

Cuca surpreendeu o Rosario ao escalar três defensores pela primeira vez no Palmeiras: Vitor Hugo à esquerda e Thiago Martins à direita, com Edu Dracena na sobra. O treinador, dessa forma, marcou os dois homens de área do time argentino: Herrera e Marco Ruben.

Reprodução

O Palmeiras, em contrapartida, passou a atuar com dois atacantes na área, tanto no 4-4-2, quanto no 3-4-1-2. A postura ajudou o time no ataque, com os gols de Alecsandro, Barrios e Gabriel Jesus, além da marcação na saída de bola.

Marcação na saída de bola ajuda na retomada da posse

Contra o Corinthians, no embate com dois zagueiros, o Palmeiras forçou o rival a sair do campo de defesa com bola longa. A segunda linha de quatro no meio-campo auxiliou nesse trabalho, com marcação em Fagner e Uendel.

Reprodução

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos