Dunga e Gilmar rebatem críticas sobre polêmicas com Jefferson e Marcelo

Do UOL, em São Paulo

  • Mowa Press/Lucas Figueiredo / MoWA Press

As últimas convocações da seleção brasileira sem o goleiro Jefferson e sem o lateral esquerdo Marcelo levantaram polêmicas sobre a relação do técnico Dunga com os dois jogadores. O goleiro, até então de confiança, deixou de ser lembrado pelo treinador. Com o lateral, a comunicação ruim entre atleta, Real Madrid e CBF o tirou das últimas listas de convocados.

Dunga foi questionado por um internauta, em entrevista ao programa 'Bem, Amigos!', do SporTV, se ele se deixava levar muito pela emoção em suas convocações, citando o caso com o Marcelo, quando o jogador deixou de ser chamado por conta de lesão, que, segundo o Real Madrid, não existia.

Gilmar Rinaldi fez questão de explicar a situação. "Eu fiz a interlocução do Marcelo. Vamos deixar as coisas claras. O que aconteceu foi que teve informação, esperávamos a comunicação que não houve. Tenho o whatsapp de um diretor do Real Madrid e não posso mostrar. Ele ouviu o que o médico passou e o cara se confundiu", explicou Gilmar. 

"A primeira convocação do Marcelo foi o Dunga. Aqui eu vi um outro treinador fazendo crítica (Mano Menezes). Não tem meia comunicação. Vamos deixar as coisas claras, não tem meia comunicação. Estamos fazendo um trabalho sério, não atrapalhe nosso trabalho. Estamos usando todos os critérios. Depois da coletiva do Dunga, o doutor teve uma conversa. Temos que entender o que queremos: quer mudar ou estamos contentes? As atitudes não têm que mudar?", desabafou o coordenador de seleções.

Outra polêmica foi com relação a Jefferson. O goleiro foi barrado na seleção titular após falha nas Eliminatórias em jogo contra o Chile e posteriormente deixou de ser chamado por Dunga nas convocações. O goleiro do Botafogo chegou a citar que "era injusto ser esquecido por conta de só uma falha" em entrevista ao programa de Galvão Bueno, o que foi rebatido pelo treinador por Gilmar Rinaldo nesta segunda (16).

"Eu vi também do seu programa do Jefferson. Ele falou que pelo histórico dele na seleção, ele deveria ter chance. Ele só jogou com o Dunga. Ele tirou por quê? Porque tinha o treinamento, o treinador do goleiro avaliou o dia a dia. Se o Dunga não pode fazer a mudança, ele não pode ser treinador da seleção. Tem que ser direta as coisas e tem que ser claro. Os critérios são justos e são discutidos em uma equipe. Do Jefferson eu não entendi a frase que ele falou. Eu ouvi aquilo e fui procurar o histórico dele na seleção", disse Gilmar. 

Dunga também fez questão de explicar a situação de Jefferson. "Eu tive um treinador que dizia que gostava de mim, mas que gostava mais dele e que me tiraria se fosse pelo bem da seleção. A seleção é fechada e não muda nada. Na hora que mudamos um goleiro que só jogou comigo, quer mais confiança que isso? O jogador tem que entender que tem competitividade alta e tem que depender da situação e tem que ter respeito com o goleiro que está entrando, porque ele também esperou. Temos que entender. Temos um centro de inteligência eu analisamos o jogador dentro do clube, como ele toma gol no clube d ele, tudo é analisado para ter o mínimo de erro possível, mas ninguém é dono da seleção", analisou. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos