Santos pede valor fixo por 10% de Lucas Lima e complica saída do meia

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • Divulgação/Santos FC

    A diretoria do Santos possui apenas 10% dos direitos econômicos do meia Lucas Lima

    A diretoria do Santos possui apenas 10% dos direitos econômicos do meia Lucas Lima

Entre os selecionáveis do Santos – Gabriel Barbosa, Ricardo Oliveira e Lucas Lima – o 'maestro santista' deve ter a negociação mais polêmica para deixar o clube paulista no meio deste ano, quando abre a janela de transferências da Europa.

O presidente Modesto Roma já avisou que pretende manter o camisa 20 até o término de seu contrato, em dezembro de 2017. Se não bastasse, a única alternativa que o clube aceita para negociar seu jogador complica bastante a vida dos possíveis interessados.

O UOL Esporte apurou que o Santos quer um valor fixo pelos 10% dos direitos econômicos que possui do jogador e que foram comprados no início de 2015 pelo empresário Andres Enrique Rueda Garcia, conselheiro do clube na época e hoje integrante do Comitê Gestor de Modesto Roma. A informação foi confirmada pelo empresário do atleta Wagner Ribeiro. Para o agente será mais fácil negociar Gabigol, outro santista agenciado por ele, do que o camisa 20.

"O Santos não quer vender, ele tem até o final de 2017, eu acredito que o Lucas terá mais dificuldade para sair do que o Gabriel. Porque o Santos só tem 10%, para o Santos não é interessante vender o Lucas. O Santos quer colocar valor fixo nos 10% dele. Isso faz o negócio de uma enormidade acima da multa. Se o Santos pedir 10 milhões de euros, por exemplo, na parte dele, então teríamos uma venda de 110 milhões de euros, por exemplo. Como o Santos só tem 10%, então isso torna inviável", afirmou Wagner Ribeiro.

O UOL entrou em contato com o Santos para falar sobre o assunto e, segundo assessoria de imprensa, o presidente Modesto Roma está em viagem representando o Santos. Ele passará pelo clube na segunda-feira (23), quando poderá falar sobre o assunto.

Lucas Lima, por sua vez, está empolgado para jogar no futebol europeu e, como realiza diante do Coritiba, neste domingo, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro, o jogo de despedida antes de disputar a Copa América pela seleção brasileira, em junho, o meia já fala em "último jogo" com a camisa santista.

Além do valor fixo pelos 10%, a diretoria santista possui mais duas estratégias no caso Lucas Lima. A primeira é não repassar parte dos direitos do jogador que pertence a Doyen Sports e brigar na Justiça pelo dinheiro da venda de Lucas Lima.

O grupo de investidor maltês detém 80% dos direitos econômicos de Lucas Lima, enquanto os outros 20% estão divididos entre Santos e Edson Khodor, ex-empresário do atleta e agente e cunhado do técnico Dorival Júnior.

A segunda estratégia no 'caso Lucas Lima' é recuperar pelo menos 40% dos direitos econômicos em comum acordo com a Doyen. Para isso, o clube ameaça publicamente não vender o jogador até o fim de seu contrato. A diretoria santista quer fazer o grupo de investidor refletir que pode ficar sem nenhum centavo em 2017, caso queira ficar com a maior parte neste ano.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos