Exclusivo: Prass revela lado investidor e diz como viu filho pegar pênalti

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Knapp/Folhapress

    Prass comemora pênalti defendido contra o Corinthians: uma das 11 defesas

    Prass comemora pênalti defendido contra o Corinthians: uma das 11 defesas

Fernando Prass aponta para o lado, salta, estica-se e toca a bola. O goleiro, assim, escreve mais um capítulo da sua história no Palmeiras. A sequência de cenas descritas tornou-se um hábito nos últimos meses. Com a camisa 1 do clube alviverde, ele já defendeu 11 pênaltis. E, de tanto repetir a façanha, virou exemplo para o próprio filho.

Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte, Prass relembrou o dia em que flagrou Caio, de oito anos, imitá-lo, com sucesso, em uma decisão por pênaltis na escolinha de futebol. Assistiu, dessa forma, ao filme da própria vida. Com quase a mesma idade, ele descobriu a vocação para ser goleiro. Uma defesa de pênalti, depois, o levou para o Grêmio, no começo da década de 1990.

O goleiro ainda lembrou as referências na carreira e revelou ser fã de Ayrton Senna, pelo fato de o ex-piloto agregar talento à vontade. Prass não se omitiu nem mesmo ao dar opiniões sobre política e economia -- o jogador revelou o lado investidor. O camisa 1 mostrou preocupação com o atual momento do Brasil e disse achar justo o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

UOL Esporte: Qual é uma liderança que te inspira?
 
Fernando Prass: Eu sempre gostei muito do Senna. Um cara com extremo talento e ao mesmo tempo extremamente dedicado. Um cara com uma personalidade que eu admirava muito, um cara que procurava sempre agregar. Foi umas minhas referências como personalidade esportista.
 
Nos momentos de derrota o torcedor xinga e tem gente que responde em rede social. Isso não entra na minha cabeça."
 
Qual o mérito do Cuca na atual situação do time?
 
No futebol as avaliações são muito rápidas, se cria conceito muito rápido. Tem de ter calma nas avaliações também, até porque nos momentos ruins as pessoas também criam conceito logo. Precisamos de uma sequência boa para mostrar que está em um momento bom. Não podemos oscilar. Óbvio que o treinador, por ser o comandante, por ser o cara que organiza tudo, tem um papel importantíssimo nessa situação. Jogador tem a parte técnica, a parte tática, a parte física, mas ele quem comanda, ele quem distribui. ele quem gere o grupo, que é uma das coisas mais difíceis. 
 
Toda torcida é carente de ídolos, o país é carente de ídolos."
 
Quais jogadores, além de você, são líderes desse elenco?
 
Temos várias lideranças dentro da equipe, isso é natural. Tem muitos tipos de liderança: a técnica, a pela experiência. Há líderes que falam mais, os que não falam tanto. São sempre os jogadores mais experientes, mais velhos. O Alecsandro, Cleiton, Edu (Dracena), Arouca, Rafa (Marques), Zé (Roberto). São esses jogadores, os que têm uma rodagem maior no futebol.
 
Cesar Greco/Ag Palmeiras
Prass com Cuca: elogios em relação à gestão do elenco do Palmeiras
 
Quais cuidados você passou a tomar para continuar atuando em alto nível perto dos 38 anos?

Na época que eu era mais jovem não tinha esse aparato todo que hoje em dia tem, de nutricionista, fisiologista, a suplementação. Quando você é mais jovem, é solteiro, come em qualquer lugar, come sanduíche, como lanche, toma refrigerante. Com o passar do tempo você começa a perceber que se quiser ter uma vida mais longa no esporte é preciso se privar de algumas coisas. Algumas pessoas falam que uns deram sorte por jogar por muito tempo, falam que tem genética boa. Nada é por acaso. Pode pegar o cara com a melhor genética que não vai conseguir se manter em alto nível.
 
O que é mais difícil se privar?

Tenho um problema com doce, adoro doce. Já controlei bastante, diminuí pela metade. Mas é importante comer refeições com menos gordura, menos fritura. Bom evitar essas coisas, pois influi diretamente no meu desempenho dentro de campo.
 
Eu sempre gostei muito do Senna. Um cara com extremo talento e ao mesmo tempo extremamente dedicado."
 
Você sente a torcida do Palmeiras carente de ídolos recentes? 

Toda torcida é carente de ídolos, o país é carente de ídolos. O esporte é sempre uma referência para a população, em formação de opinião, de caráter, exemplo e conduta. O Palmeiras passou por momentos difíceis e obviamente que a torcida sofre com isso. Hoje em dia com essa volatilidade do mercado é difícil criar uma identificação com o clube porque as trocas são muito rápidas. Então um dos passos para ter um reconhecimento da torcida é ficar bastante tempo no clube. 
 
Se precisar (bater pênalti de novo) e eu for um dos melhores batedores, sim. Eu sou jogador do Palmeiras."
 
Você é ídolo? Se sente como um?

Eu não gosto de falar, não me sinto cômodo. Sei que a torcida tem um carinho muito grande. Mas eu paro para pensar em ídolos. A palavra ídolo muita vezes virou corriqueira. As pessoas estão usando de uma forma muito superficial. Se for comparar aqui no Palmeiras: Marcos é ídolo, o Velloso, Ademir da Guia, o Leão. É complicado se comparar a pessoas desse tipo. Eu sei que a torcida tem um carinho grande por mim.
 
Miguel Schincariol/AFP
Prass brilhou na final da Copa do Brasil, com defesa e gol na decisão por pênaltis
 
Você conversa muito com o Marcos?

Esporadicamente converso com ele. Por telefone, quando ele vem aqui na Academia. Logo que cheguei aqui conversei bastante com ele. Nesses momentos decisivos também. Ele entende o que a gente passa e trocamos uma ideia de vez em quando. Ele ligou, mandou mensagem para parabenizar pela conquista (da Copa do Brasil).
 
Aquela agressão da torcida organizada em março de 2013 foi seu pior momento no clube? Pensou em ir embora?

Foi o pior momento. Foi uma agressão física, mas não cheguei a pensar em ir embora, Ficou nítido que não era para mim a agressão. Fui uma vítima ali, estava tentando ajudar o Valdivia para evitar a agressão. Acabou sobrando uma xícara para mim. A gente fica triste porque eu estava chegando no clube e acontece uma situação dessa. Mas nunca pensei em ir embora.
 
Você viveu a situação de cobrar um pênalti e dar um título nacional para o Palmeiras. Como você encarou a perda do pênalti na semifinal do Paulista? 

Faz parte. Eu errei, o Rafa errou, o Lucas Lima errou. Na outra final o Marquinhos Gabriel errou. É normal acontecer isso em uma decisão por pênaltis. Agora tem que ter consciência tranquila que foi trabalhado e que tem condições de bater. Até hoje bati três e fiz dois. Errei em um jogo importantíssimo. Mas assimilo muito bem, tranquilamente.
 
Voltará a bater em decisão por pênaltis?

Se precisar e eu for um dos melhores batedores, sim. Eu sou jogador do Palmeiras. Eu defendo as cores do Palmeiras. Eu não posso ser covarde ao ponto de querer me proteger, de não assumir o risco de errar. É uma covardia com o clube Posso bater, acertar, errar, mas uma coisa que tenho certeza que nunca vou fazer é me omitir. Não ficaria com a consciência tranquila.
 
Você já defendeu 11 pênaltis no Palmeiras. O que faz a diferença hoje?

Ano passado tiveram muitas decisões de pênaltis. Essa é a diferença. Esse ano já foram duas, no ano anterior teve Corinthians, Santos, Santos outra vez, Fluminense. É um número grande. Isso aumenta a probabilidade de fazer defesas.
 
Cesar Greco/Ag Palmeiras
Prass soma 182 jogos pelo Palmeiras
 
A sua família vai ao estádio em todos os jogos aqui em São Paulo?

Sempre, não. Depende do jogo. Sábado e domingo à tarde eles vão. Meio de semana à noite, jogo tarde, eles não vão. Eles têm de estudar, tem escola. Ficam em casa descansando (Prass tem dois filhos: os gêmeos Caio e Helena e é casado com Letícia, com quem namora desde 1997). 
 
Os seus filhos estão com quantos anos?

Vão fazer nove agora.
 
Ele já fala em ser goleiro?

Já, mas foi vetado lá em casa.
 
Por quê?

Minha esposa não deixa. Ela falou que não leva ele na escolinha quando ele leva a luva. Na linha pode. Quando eu levo, ele carrega a luva. Aí ele pode jogar um pouquinho no gol. Ela não deixa por causa do sofrimento que ela passa. Da tensão que tem na profissão de goleiro. Ela prefere que ele seja meio-campo.
 
Você é um exemplo..

Ele comemorou bastante a Copa do Brasil. Fui na escolinha dele depois, no fim eles treinam pênaltis. Eu fiquei no carro olhando. Um menino foi bater um pênalti e ele ficou apontando para defender (como Prass faz). Cheio de marra. 
 
Defendeu?

Defendeu (risos).
 
Como você decidiu ser goleiro?
 
Eu jogava futebol de salão e havia torneios. Em um final de semana, nosso goleiro não foi e a gente precisou fazer um rodízio. Eu fui o primeiro e acabei ficando. Isso em 1988 (Prass tinha dez anos). Depois fiquei no gol e começamos a jogar campeonatos fora da cidade. Jogamos um na praia e tinha um olheiro do Grêmio vendo. Ele me levou para lá. Aí a coisa começou a ficar mais séria. Uma das coisas que ele viu foi uma defesa de pênalti. Naquela época eu tinha uma dúvida muito grande por causa da estatura. Eu não era alto e as pessoal falavam que eu não conseguiria ser goleiro por causa da altura. Mas aos 15, 16 anos eu desenvolvi bem.
 
Falta muita consciência política e social. Não só do jogador, mas da população brasileira que na minha opinião é omissa e corrupta, porque é impensável: se têm os corruptos, têm os corruptores."
 
Passou dificuldades quando foi emprestado para times menores no começo dos anos 2000?

Nossa, muito aperto. Eu ganhava R$ 1.800. Fiquei cinco meses lá e recebi um mês e meio de salário. Fiquei os cinco meses. Pagava passagem para minha esposa (namorada na época) me ver todo mês. ela morava em Porto Alegre. Tinha uma casa que era alugada por eles, a comida era na república, mas teve uma hora que cortaram a comida. O dinheiro que eu ganhava era basicamente para pagar passagem, telefone e me alimentar. Não tinha muito mais que isso. O clube não tinha estrutura nenhuma. Tinha de ir para o treino a pé, dava 30 minutos. São dificuldades que muita gente passa ainda. Eu me privei de muita coisa. eu pensava: 'se for para ficar no futebol para ficar nessa situação, eu paro de jogar. Vou estudar, vou trabalhar'. Coloquei na minha cabeça que tinha que ir atrás de coisas melhores. E consegui gradativamente, indo para times melhores. 
 
O grupo comenta sobre a situação atual do Brasil?

Nestes últimos tempos não tem como passar batido. A cobertura era total. O jogador se obriga a ouvir e comentar. Bom seria se se interessasse durante todo processo, em anos eleitorais. As pessoas se interessam só na crise. Quando o calo aperta. Quando o calo dos outros aperta, não se dá atenção. Falta muita consciência política e social. Não só do jogador, mas da população brasileira que na minha opinião é omissa, é corrupta, porque é impensável: se têm os corruptos, têm os corruptores. É um reflexo da sociedade brasileira os políticos de hoje em dia.
 
O que você pensa da política brasileira? E da economia?

Agora teve essa mudança. Se falava muito que era necessária essa mudança da presidente para mudar o cenário de otimismo dos investidores de fora. Se espera agora que o novo presidente, a nova equipe tome novas medidas que realmente deem impulso na economia. Medidas realmente efetivas para retomar o crescimento econômico do Brasil. A gente está na expectativa. Não é do dia para noite. Muita gente achava que era só a Dilma sair que as coisas iam melhorar. Não é assim. É a longo prazo. Tomara que melhore, a situação está afetando muita gente, desemprego e até questão de serviços básicos. No Rio, a saúde está precária. A previdência social está com um rombo absurdo. Não tem como sustentar, a conta não fecha. Tem de mudar muita coisa. O mundo e a Europa passaram por isso. E fizeram mudanças. É impensável que o Brasil ficaria imune a isso. Com atraso vai ter de seguir a medidas que se tomam no resto do mundo.
 
Cesar Greco/Ag Palmeiras
Goleiro, que completará 38 anos dia 9 de julho, tem contrato até fim de 2017
 
Foi justo o processo de impeachment?

Achei justo. Por tudo que foi demonstrado, acho que sim.
 
Dá tempo de cuidar das finanças, pensar e projetar o futuro?

Eu sou jogador de futebol, não tive formação nenhuma. Tenho amigos, pessoas e empresas de confiança que conhecem mais o mercado e os bons investimentos. Mas eu gosto de entender as coisas. Quando vou investir, não deixo nas mãos da pessoa que está lidando. Procuro entender, questionar. Sou um cara muito precavido. Tenho sempre o pé atras. Se me oferecem uma coisa muito boa, eu desconfio, sou mais conservador. Sou chato, questionador. Sei superficialmente, mas tenho noção do que está acontecendo. 
 
Você tem contrato por mais 19 meses. Já pensa em uma renovação? 

É cedo, no ano que vem já dá para começar a pensar. Agora é muito cedo.
 
Vai encerrar a carreira aqui?

Sim, se puder traçar um plano, com certeza.
 
Quais goleiros do futebol mundial hoje te fazem parar o que está fazendo pra verem eles jogar?

O Buffon é um desses. Tem a minha idade, parece que vai jogar a Copa de 2018. Ele marcou uma geração, vai entrar para a história como um dos melhores da história. Se pudesse montar o goleiro perfeito, seria uma combinação com o Neuer. Por isso gosto de ver os dois. Tem o Hart do Manchester City também. Acho ele sensacional. cada um tem suas particularidades técnicas.
 
Seleção é momento. Você já disse isso, o Dunga também. Você se sente injustiçado em não ter tido uma chance nos últimos meses?

Eu não me acho injustiçado. Os goleiros que estão são muito bons. Óbvio  que meu sonho era ter uma chance, vestir a camisa da seleção. Mas não dá para esconder que com a idade mais avançada é mais difícil. Mas há algumas exceções: o Ricardo Oliveira mesmo aos 36 anos foi convocado porque vive um momento bom. Vai muito da confiança e da avaliação do treinador. Respeito todas a opiniões.
 
Cesar Greco/Ag Palmeiras
Prass é um dos líderes do time alviverde, ao lado de outros atletas experientes
 
Como você lida com essa era WhatsApp, Facebook, que tudo se compartilha e se fala? 

Tem de saber usar, tem o lado positivo e negativo. Nos momentos de derrota o torcedor xinga e tem gente que responde em rede social. Isso não entra na minha cabeça. Rede social é para passar informação sua para a torcida. Claro, de vez em quando interage com público. Tem de ter o equilíbrio de saber usar essa ferramenta a seu favor, para que ela não crie problema para você. 
 
E teve o áudio no WhatsApp também...

Todo mundo vira repórter. Esse rapaz mesmo que disse que eu estava machucado e ficaria fora do Brasileiro. Qualquer dá notícia na rede social e vira verdade porque o torcedor acredita, tem um alcance muito grande. Tem de ter muito cuidado com isso para ter credibilidade na hora de usar.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos