Seleção inicia pré-temporada em busca de referência para substituir Neymar

Danilo Lavieri e Guilherme Palenzuela

Do UOL, em Manhattan Beach (EUA)

  • Lucas Figueiredo / MoWA Press

    Neymar será grande ausência da seleção brasileira na Copa América

    Neymar será grande ausência da seleção brasileira na Copa América

A seleção brasileira começa nesta segunda-feira (23), em cidades próximas a Los Angeles, nos Estados Unidos, os treinos preparatórios para a Copa América Centenário, que começará para o Brasil em 4 de junho, contra o Equador. Ainda sem poder contar com parte dos convocados, que chegarão nos próximos dias, Dunga precisará usar os primeiros dias na Califórnia para encontrar os substitutos de Neymar como referência técnica e de influência no grupo.

O atacante não vai a Copa América por acordo entre Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Barcelona - a seleção queria o atacante para o torneio e também para a Olimpíada, em agosto, mas o clube espanhol só o liberou para uma competição. Na seleção, Neymar vem sendo protagonista em campo, melhor jogador e capitão da equipe.

A liderança de influência, segundo indicado pelo próprio Dunga, deverá ser passada ao zagueiro Miranda, 31. O homem de confiança do treinador foi o capitão em todas as situações em que a seleção não contou com Neymar desde o episódio da Copa América e 2015, no Chile, quando Neymar acabou suspenso e deixou o torneio - depois daquilo, Miranda ainda vestiu a braçadeira em amistosos contra Costa Rica e Estados Unidos, e também nas eliminatórias para a Copa do Mundo contra Chile, Venezuela e Paraguai.

A liderança técnica, porém, está aberta. Há candidatos a assumirem o protagonismo, mas que até aqui sempre foram ofuscados pela qualidade e Neymar e igualmente não conseguiram mostrar grandes desequilíbrios individuais na ausência do craque.

Willian, 27, do Chelsea, é o principal dos candidatos. Foi titular em todos os jogos desde o fim da última Copa América, esteve presente em todas as convocações de Dunga desde o retorno do técnico à seleção, e vem de boa temporada individual na Inglaterra apesar do fracasso do Chelsea. Outro candidato é Douglas Costa, do Bayern, que vem crescendo tanto na Alemanha como sob os olhos de Dunga, e tem tudo para começar esta Copa América na condição de titular.

Além das competências como líder e também como astro dentro de campo, não ter Neymar representará para a seleção brasileira, também, não ter um grande foco de atenção da mídia, dos fãs e do marketing. Sem a grande estrela, a seleção divide atenções e não canaliza tudo em Neymar. Nos dois amistosos disputados recentemente nos Estados Unidos, Dunga chegou a falar da importância de ter Kaká no elenco para que dividisse as atenções com jogadores menos experientes. Nesta Copa América, não haverá Kaká.

Dunga, comissão técnica e o primeiro grupo de jogadores chegaram aos Estados Unidos no domingo (22). O lateral Fabinho (Monaco) foi o primeiro a se apresentar, seguido pelo goleiro Ederson (Benfica), os zagueiros Marquinhos (PSG) e Gil (Shandong Luneng), os meias Willian (Chelsea) e Philippe Coutinho (Liverpool) e o atacante Hulk (Zenit). Nesta segunda, a programação espera a chegada de 11 atletas entre o período da manhã e da tarde, quando Dunga fará o primeiro treino.

A seleção está alojada em Manhattan Beach, cidade a 24 quilômetros de Los Angeles, e treinará durante este período e preparação no Stubhub Center, instalação do Los Angeles Galaxy, principal clube do país, em Carson, cidade vizinha.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos