Cruzeiro busca meia e camisa 9 no Mercado da Bola

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro

    Paulo Bento (à esquerda) e Gilvan de Pinho Tavares em apresentação do técnico português no Cruzeiro

    Paulo Bento (à esquerda) e Gilvan de Pinho Tavares em apresentação do técnico português no Cruzeiro

O Cruzeiro pretende se reforçar em pelo menos duas posições para o setor ofensivo. A nova comissão técnica de Paulo Bento já diagnosticou a necessidade de contar com meias e atacantes. Os perfis, inclusive, já foram traçados. Mas a diretoria só deve assegurar os reforços após a abertura da janela de transferências internacional, em 22 de junho.

A prioridade é um centroavante. Os nomes ainda não foram definidos, uma vez que as ideias surgiram há menos de uma semana. O nome de Rafael Sóbis aparece como uma possibilidade, mesmo que o atacante que atua no Tigres, do México, não seja um legítimo camisa 9. O clube, inclusive, negocia a sua chegada, mas esbarra na questão financeira. Ele quer R$ 500 mil mensais e R$ 2 milhões de luvas para voltar ao país.

Até o presidente Gilvan de Pinho Tavares já definiu a chegada de um definidor como a principal necessidade. O mandatário deixou claro o desejo de contratar um homem-gol durante a apresentação do português Paulo Bento, na segunda-feira passada (16). Sem pressa, a cúpula avalia nomes que tenham bagagem para chegar à Toca da Raposa II.

Outro ponto que desperta a atenção de comissão técnica e diretoria é a criação de jogadas. Sem um especialista para o setor desde a saída de Éverton Ribeiro, negociado junto ao Al-Ahli, dos Emirados Árabes Unidos, a diretoria tem encontrado dificuldades. De Arrascaeta, inclusive, foi improvisado na função, mas Bento crê que há carências de atletas com estas características no elenco:

"Creio que o jogo (contra o Figueirense) mostrou um pouquinho do que pensamos, que é jogar em uma zona mais central. As características dos jogadores do elenco são de jogar mais entre as linhas e no apoio do que buscar o jogo e espaços profundos", afirmou.

Embora reconheça a ausência que organizem o jogo e já tenha até definido com a diretoria posições que necessitam de reforços, o técnico português evita comentários à imprensa e garante que está satisfeito com o plantel:

"Eu quero falar daquilo que pode chegar e do que podemos fazer em termos de mercado. Não me parece o indicado neste momento. Temos um elenco com 33, 34 jogadores e, por isso, mais que isso não nos adianta falar. É trabalhar com o elenco que temos. Vamos tentar melhorar nos próximos jogos. Em relação às outras coisas, vamos ver como acontece".

Mesmo com as carências detectadas, os homens do futebol do Cruzeiro – o vice-presidente Bruno Vicintin e o diretor Thiago Scuro – não têm pressa para iniciar as negociações, já que o clube pode acertar as contratações até 21 de julho, fim da janela de transferências internacional.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos