Governo intervém na AFA e seleção argentina pode deixar a Copa América

Do UOL, em São Paulo

  • Victoria Egurza/Telam/Xinhua

    Mauricio Macri, presidente da Argentina, conversou com Gianni Infantino, da Fifa, para tentar solucionar a crise

    Mauricio Macri, presidente da Argentina, conversou com Gianni Infantino, da Fifa, para tentar solucionar a crise

Uma crise no futebol argentino coloca em risco a participação da seleção nacional na Copa América Centenário, que será realizada nos Estados Unidos. Nesta segunda-feira (30), a Inspeção Geral de Justiça (IGJ), órgão ligado ao Ministério de Justiça e Direitos Humanos, enviou um documento à AFA (Associação de Futebol da Argentina) adiando as eleições da entidade, anteriormente marcada para o dia 30 de junho.

Na resolução da IGJ, é prevista a nomeação de dois funcionários do Governo argentino por um período de 90 dias úteis, podendo ser prorrogado por mais 90 dias. De acordo com o "Olé", a decisão espera um posicionamento da Fifa, que não vê com bons olhos a intervenção da Justiça no futebol.

A crise no futebol argentino teve início depois da primeira eleição presidencial da AFA, em 3 de dezembro. Na ocasião, a apuração apontou empate em 38 votos. O problema, no entanto, é que apenas 75 pessoas deveriam participar da votação.

Em nota oficial, a AFA afirma que seu Comitê Executivo se reunirá nesta terça-feira para decidir o que fazer sobre o caso.

O "Olé" afirma que na última semana o presidente da Argentina, Maurício Macri teve uma conversa com o mandatário da Fifa, Gianni Infantino, e pediu ajuda para resolver o problema no futebol argentino e evitar punições. De acordo com a publicação, Macri não quer que Hugo Moyano, líder sindical argentino e presidente do Independiente, vença as eleições.

A eleição será a primeira da AFA em quase 40 anos. Desde 1979, Julio Grondona comandou a entidade, permanecendo no poder até sua morte, em julho de 2014, aos 82 anos.

Atualmente comandada por Luis Segura, a AFA é investigada por desvio de recursos do "Fútbol para Todos", programa governamental de apoio e divulgação do esporte no país.

Intervenção coloca em cheque participação na Copa América

Em declarações à rádio "La Red", o secretário administrativo da AFA, Damián Dupelliet, admitiu a chance de a seleção argentina não participar do torneio continental. "Amanhã (terça), o Comitê avaliará se a seleção voltará dos Estados Unidos e se todas as atividades serão suspensas".

Caso a AFA decida retirar a seleção da Copa América, poderá arcar com uma multa milionária. A punição prevista pela Fifa em caso de abandono do torneio é de US$ 5 milhões (R$ 18 milhões), além de um montante adicional por danos e a exclusão de competições futuras.

Antes da intervenção a AFA havia enviado uma carta à Conmebol solicitando a desfiliação da Argentina em caso de intromissão do poder público.

"Entendemos que essa medida (intervenção na AFA) interrompe um processo eleitoral e faremos com que a Conmebol e a Fifa saibam, para que se manifestem de acordo com seus estatutos", completou Dupelliet.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos