CBF cria Comitê de Ética, mas não investigará Del Nero por acusações do FBI

Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Ed Ferreira/Folhapress

A CBF anunciou o formato do seu Código e seu Comitê de Ética, mas ambos não vão se aplicar para a investigação contra seu presidente Marco Polo Del Nero nos EUA. A alegação do grupo de trabalho da entidade é de que só serão analisados casos daqui para frente, e não do passado.

Sendo assim, também não poderão ser julgados os ex-presidentes José Maria Marin e Ricardo Teixeira, em todos os casos que eles são acusados de receber propina por contratos da CBF.

"A lei brasileira estabelece que a norma só se aplica a partir da sua vigência. Não tem como ser retroativa", afirmou o presidente do STJD, Caio Rocha, que foi o chefe do grupo de trabalho que acabou a redação do código.

Casos investigados pela CPI do Senado e da Câmara que implicam em irregularidade na CBF também estarão excluídos. Assim, o comitê não servirá para investigar, e punir, as suspeitas de que Del Nero recebeu propinas por contratos relacionados a contratos da CBF, da Copa América, e da Libertadores.

O Comitê terá duas câmeras, uma de investigação e uma de julgamento, como ocorre na Fifa. A questão é que, na Fifa, irregularidades cometidas antes da criação de seu código de ética e do seu comitê foram alvo de investigação, como foi o escândalo da ISL de 2002. "Não sei como funcionam as leis suíças. No Brasil, não dá para ser retroativo", contou Caio.?

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos