Problemas da Copa América irritam CBF, mas Dunga se cala por regulamento

Danilo Lavieri e Guilherme Palenzuela

Do UOL, em Boston (EUA)

  • Lucas Figueiredo / MoWA Press

    Dunga concedeu entrevista coletiva no Gillette Stadium

    Dunga concedeu entrevista coletiva no Gillette Stadium

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) está irritada com sucessivos problemas de organização na Copa América de 2016, nos Estados Unidos, mas não pode falar abertamente sobre isso. Segundo membros da delegação brasileira, segundo o regulamento do torneio nenhum membro da delegação pode fazer críticas públicas à organização da competição. Neste sábado, na véspera do jogo decisivo contra o Peru e um dia depois de treinar em um campo que não teve nem vestiário, o técnico Dunga teve de tentar esconder a insatisfação.

"Tem que falar para vocês... Nós mandamos uma equipe da CBF antes da competição controlar tudo que for possível da organização. Quando controlamos estava certo. Chegamos, tivemos a surpresa. Mas não adianta ficar se lamentando, achar desculpa, temos que tentar achar a solução. Mais do que isso não posso falar porque está no regulamento", falou Dunga, em entrevista coletiva oficial do torneio, no Gillette Stadium, palco da partida deste domingo, às 21h30 (de Brasília).

O regulamento da competição, exibido no site da Concacaf, não é claro sobre reclamações feitas em coletivas de imprensa. O que mais se aproxima do caso fica por conta do artigo 11, quando um dos itens diz que "reclamações irresponsáveis ou sem fundamento podem ser multadas". Aparentemente, no entanto, o texto falava a respeito de formalizar críticas ao Comitê Organizador. 

Os problemas da seleção brasileira começaram ainda em Los Angeles, onde começou a competição, com uma fatalidade: por causa do assassinato seguido de suicídio na Universidade da Califórnia em Los Angeles, o time teve e mudar o local de treino às pressas. Depois disso, houve discordâncias entre CBF e Copa América quanto às exigências nos atendimentos à imprensa, como locais, horários e personagens solicitados em entrevistas coletivas oficiais do torneio. 

Em Orlando, onde venceu o Haiti por 7 a 1, o Brasil teve de improvisar um campo de treinamento na véspera do jogo porque o estádio Camping World, palco da partida, não teve condições de receber o treino. Na última sexta-feira, já em Boston, a seleção treinou na Universidade de Harvard e foi surpreendida com um campo que não tinha vestiário para os jogadores - segundo a CBF, isso não estava acordado com a organização. Um baú de um caminhão teve de ser improvisado como vestiário. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos