Xodó da seleção francesa quadruplicou valor e virou maior que o presidente

João Henrique Marques

Do UOL, em Lyon

  • Lee Smith/Reuters

    Payet comemora após marcar o gol da vitória da França sobre a Romênia

    Payet comemora após marcar o gol da vitória da França sobre a Romênia

Poga, Griezmann, os craques franceses ficaram pequenos na Eurocopa 2016 perto de Dimitri Payet. A performance sensacional na estreia com assistência e gol salvador na vitória por 2 a 1 contra a Romênia deixou o atacante do West Ham com o rótulo de queridinho no país. A popularidade e o valor de mercado aumentaram assustadoramente. A França encara a Albânia nesta quarta-feira, às 16h (de Brasília), no Vélodrome, em Marselha.

Payet começou a Europa com valor de mercado de 20 milhões de euros (cerca de R$ 80 milhões). Agora, dirigentes do pequeno clube inglês avisam que a venda tem valor mínimo de 80 milhões de euros (aproximadamente R$ 320). O Chelsea já se coloca como interessado.

"O Payet tem cabeça para administrar uma pressão. Ele é protagonista do seu time, e com certeza está gostando da importância que obteve para a seleção˜, disse o treinador Didier Deschamps na véspera do jogo.

O fato de "ter cabeça"está relacionado com a experiência do atacante. Aos 29 anos, o jogador explodiu tardiamente, sendo convocado para seleção com frequência apenas recentemente na reta final da Eurocopa.

Reprodução


Na França, Payet foi manchete de jornais todos os dias desde a estreia. "O herói nacional", "Obrigado, Payet", "Payet para presidente". Todos os veículos investiram em reportagens para contar a história do até então desconhecido pela maioria francesa. Até a crise política foi explorada para tratar o tema. 

"A rejeição de Hollande (presidente da França) caminha para o zero. Hoje somente ele seria capaz de mudar  esse quadro desastroso", citou uma reportagem política do jornal Le Monde.

A titularidade de Payet contrasta com o momento vivido por Pogaba e Griezmann. Os maiores candidatos a herói da Eurocopa agora encaram até mesmo a possibilidade da reserva diante da Albânia.

A tática foi usada por Deschamps com os dois na Copa do Mundo do Brasil em 2014. A França venceu a Suíca por 5 a 2 e mostrou força do elenco. Ver Comam e Martial como titulares da equipe não será supresa. Já Payet é incontestável.

"Aquilo (na Copa do Mundo) foi uma escolha tática. Não era para poupar jogadores. Nós temos um elenco que me permite isso e vocês vão saber antes do jogo qual a escolha˜, avisou Deschamps.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos