Atlético-MG não pagou por Victor. E Justiça manda a conta milionária

Marinho Saldanha e Thiago Fernandes

Do UOL, em Porto Alegre e Belo Horizonte

  • REUTERS/Washington Alves

    Dívida antiga pela contratação de Victor está prestes a ser resolvida na Justiça

    Dívida antiga pela contratação de Victor está prestes a ser resolvida na Justiça

A Justiça determinou que o Atlético-MG tem que pagar ao Grêmio por conta da contratação do goleiro Victor quase R$ 8,7 milhões, já considerando reajuste e multas. A cobrança entrou em fase final e o clube mineiro poderá sofrer penhoras. Ainda cabe recurso.

A 17ª Vara Cível da Comarca de Porto Alegre reenviou a chamada Carta Precatória Cível em maio (primeiro envio foi em abril, como consta na imagem, mas o último em 12 de maio) deste ano à Justiça de Minas Gerais ordenando a execução do processo de cobrança. Consta no documento, que a reportagem do UOL Esporte teve acesso, as condições para pagamento e próximos passos na dívida. 

Reprodução
Montagem do documento de cobrança do Grêmio ao Atlético-MG

De acordo com o processo, o Atlético deve pagar R$ 8.696.848,91 (valor do fim de março) ao Grêmio num prazo de três dias a partir do recebimento da notificação - que ainda não aconteceu - sob pena de penhora de qualquer bem que possa ter em seu nome, desde posses ou até renda de partidas ou direitos de televisionamento. Há ainda um prazo de 15 dias para o Galo recorrer. 
 
No mesmo documento, a Justiça apresenta ao time mineiro uma alternativa de pagamento. É possível arcar com 30% do débito imediatamente e parcelar o restante da quantia em até seis vezes. 
 
Procurado pela reportagem do UOL Esporte, o vice-presidente jurídico do Grêmio, Nestor Hein, evitou detalhar o tema e apenas informou que o processo está sendo gerido por um escritório terceirizado.

Outro lado

O departamento jurídico do Atlético-MG alega que o Grêmio também tem uma dívida com o clube. Detentor de um percentual de Werley, os mineiros questionam o empréstimo do jogador ao Santos, em 2015. Conforme informação do departamento jurídico, os gaúchos deveriam ressarcir a agremiação de Belo Horizonte devido à ida do defensor para a Vila Belmiro, o que não teria acontecido. A situação faz com que não haja um acordo referente ao débito contraído na contratação de Victor.

A diretoria atleticana não revela o montante que deveria receber na negociação que envolveu a ida do zagueiro para a Baixada Santista. E questionada sobre a ação, prefere não se posicionar e aguardar a notificação da justiça de Minas Gerais.

Entenda o caso

O goleiro Victor foi contratado pelo Atlético-MG em junho de 2013 por 3,5 milhões de euros (R$ 12,1 milhões pela cotação atual) mais 50% dos direitos econômicos do zagueiro Werley. O pagamento deveria ser feito em três parcelas, mas o valor final de 1,5 milhão de euros não foi pago. Desde então o Grêmio busca receber o dinheiro e ajuizou tal ação para forçar o pagamento e cogitou até procurar a Fifa, algo descartado no momento. 
 
Enquanto isso, o Tricolor já indicou a chance de ser ressarcido através de jogadores. Chegou a tentar usar a dívida como 'poder de barganha' para contratar o centroavante André, que foi para o Corinthians. 
 
O Grêmio mesmo já viveu algo semelhante com a dívida que tinha junto ao Flamengo por conta da negociação de Rodrigo Mendes no ano 2000. Para quitar o débito e evitar penhoras o clube enviou ao rubro-negro o lateral Pará, o empréstimo do zagueiro Bressan, além do restante do valor em dinheiro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos