Com Messi, Argentina vive melhor momento nos 23 anos de jejum

Leandro Carneiro

Do UOL, em São Paulo

Veja como foram os gols da Argentina contra os EUA e a lesão de Lavezzi

A seleção argentina de Messi sempre é muito questionada por não ter conseguido tirar o país da fila de títulos. Já são 23 anos sem conquistas. Mas a geração do cinco vezes melhor do mundo reconquistou o protagonismo há muito tempo perdido no continente.

Desde que foi campeã da Copa América em 1993, a Argentina não saiu vitoriosa da competição. Pior que isso, viu aos poucos o protagonismo sumir, principalmente com a ascensão brasileira. Finais do principal torneio sul-americano eram raras.

TABELINHA: ARGENTINA ESTÁ JOGANDO MELHOR ATÉ DO QUE OS TIMES DA EUROCOPA, DIZ PVC; OUÇA

Tudo mudou quando Messi estreou na seleção, ainda em 2005. De lá para cá, a Argentina disputou quatro Copas Américas (já somando a de 2016) e são três finais.

Antes da estreia de Messi, a Argentina só conseguiu chegar a uma final de Copa América, perdida para o Brasil em 2004. Pior que isso, a seleção sequer esteve nas semifinais do torneio.

Em quesito Copa do Mundo, a Argentina precisou de Messi para conseguir voltar a uma decisão, o que aconteceu em 2014 depois de 24 anos. Nas últimas três edições do Mundial, os argentinos foram os únicos representantes da América do Sul a disputarem o jogo final.

O cenário se mostra a favor da "geração Messi" no quesito Eliminatórias. O atacante do Barcelona foi o artilheiro da seleção na classificatória para o Mundial de 2014, conduzindo a Argentina na conquista da primeira posição.

O que deixa os argentinos esperançosos para finalmente terminar o jejum é o fato de ter sido o "time dos massacres" na edição centenária da Copa América. São 18 gols em cinco partidas, sendo que 50% deles (entre gols e assistências) passaram pelos pés de Messi. A seleção teve quatro goleadas em suas cinco vitórias.

De 2005 para cá, Messi fez 55 gols pela seleção argentina, se isolou como o maior goleador de todos os tempos. Ele também igualou Romário como o terceiro maior artilheiro de seleções das Américas, atrás de Pelé e Ronaldo.

Ainda falta o título

Para coroar toda a trajetória da geração, Messi terá mais uma chance no fim de semana, contra Colômbia ou Chile. Desde que estreou entre os profissionais, a única vez que o atacante do Barcelona gritou é campeão pela seleção foi em 2008, na Olimpíada de Pequim.

Elogios

Depois da goleada por 4 a 0 sobre os EUA, Tata Martino, técnico da Argentina, não poupou elogios e demonstrou toda sua alegria com o feito de Messi.

"Muito bom que o melhor jogador do mundo seja também o goleador histórico da seleção. Fico feliz que Messi tenha superado o recorde de Batistuta, mas sabendo como ele é, está mais feliz pelo time", falou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos