Em turnê no Brasil, irmã de CR7 quer mostrar que é mais do que irmã de CR7

Juliana Alencar

Do UOL, em São Paulo

De imediato, a repórter se assusta com a semelhança entre Katia Aveiro e o irmão, o astro do Real Madrid e da seleção portuguesa Cristiano Ronaldo. Até a pinta no canto esquerdo superior da boca é idêntica a do atacante, eleito três vezes melhor do mundo pela Fifa. "Ele que é parecido comigo, porque eu nasci primeiro", retruca, em tom de brincadeira, a cantora de 39 anos.

Ouvir sobre a semelhança com o atleta é algo com o qual a cantora está acostumada. Em turnê promocional pelo país, a irmã de CR7 coleciona "causos" sobre o assunto. O mais recente passou no aeroporto de Porto Alegre, de onde voltava após cantar na final do Gigante Bowl, evento de futebol americano, no sábado (18).

"O moço que trabalhava no controle de passagens olhou para mim e perguntou: 'você é irmã do Cristiano Ronaldo, né?'. Pensei que ele tivesse me visto no show, mas só tinha me achado parecida", comenta. "De vez em quando me olho no espelho e percebo que quanto mais os anos passam, mais o Cristiano fica parecido comigo. Mas sou mais bonita", diverte-se.

Reprodução
Katia Aveiro em encontro com a dupla sertaneja Simone e Simaria, em São Paulo

Aos 39 anos, Katia Aveiro não se incomoda em ser chamada de a irmã de Cristiano Ronaldo. Mas, aos poucos e sem pressa, tenta ganhar espaço no mercado fonográfico (seu estilo é pop romântico) sem que o parentesco pese tanto. Na Espanha, país onde o irmão vive desde 2009, nem sequer precisa mais do aposto, ela garante. 

"A Espanha já é a minha segunda casa. Depois que eu participei de um programa de TV ("Supervivientes"), eles passaram a me conhecer como Katia Aveiro, a cantora. Valorizam o meu trabalho", orgulha-se ela, que chegou a se apresentar na festa promovida pelo Real em Milão, a pretexto da final da Liga dos Campeões, vencida pelo time madrilenho. "É um momento que eu jamais vou esquecer."  

No Brasil, Katia reconhece que ainda está dando os primeiros passos. Acostumada a visitar o país, esta é a primeira vez, no entanto, que vem a trabalho. Katia termina sua passagem nessa quinta, depois de uma pequena maratona que a afastou das arquibancadas da Eurocopa - ela costuma prestigiar a seleção portuguesa em todas as competições. Além de entrevistas, a cantora fez, no Brasil, apresentações ao vivo, gravou o clipe da música "Garota Sensação", num dueto com o cantor catarinense Juliano Rosa, e fechou um contrato para venda online de acessórios que levam o seu nome.

"Vim para promover a minha carreira, minha imagem. Sempre quis entrar no mercado brasileiro, porque me identifico com ele. O Brasil é um país muito quente, animado. Eu sou assim, então me sinto em casa", afirma ela, que tira uma experiência positiva da turnê: "Só lamento não ter conseguido pegar sol", brinca.  

Família unida

Katia é a segunda filha entre os quatro irmãos e é discreta ao citar o caçula, de 31 anos, o mais famoso deles. Mas entende a curiosidade que as pessoas têm do maior jogador da história do futebol português. Assim, as citações a Cristiano Ronaldo acontecem ao recordar memórias da infância na Ilha da Madeira.  

"Nascemos numa casa muito humilde. Mas tínhamos a vista do mar e da serra, era a melhor do mundo. Hoje podendo frequentar os melhores hotéis, em várias partes, eu tenho certeza que nós éramos muito felizes na Madeira. É nosso cantinho de céu", diz, referindo-se a relação que os irmãos têm do local onde nasceram.  Até hoje, Ronaldo mantém imóveis na ilha que cresceu e começou a carreira. 

Ao falar dos pais, novas referências ao irmão. A mãe, dona Dolores, ganha uma citação especial. "É difícil explicar com palavras o que ela representa para mim, para o Cristiano e para os irmãos. Depois que nosso pai se foi ela se tornou ainda mais importante. É a matriarca, que nós respeitamos, mesmo quando não tem razão. Ela é o pilar da nossa família. Se não existisse, não faria sentido as casas, as joias, os carros, nenhum dinheiro", declara ela, que lamenta o fato de o pai, morto em 2005, não ter visto a vitória dos filhos.

"Meu pai era muito orgulhoso de todos nós. Contava as horas para me ver subir ao palco, ver o Cristiano entrar em campo. Sofremos a ausência dele mais ainda porque ele não viu o nosso sucesso".

Katia conta que apesar dos compromissos, eles sempre frequentam a casa um dos outros. E não deixam que brigas mexam com a rotina familiar. "Não ficamos 15 dias sem nos ver. Somos uma família normal como todas as outras, os irmãos discutem, quando um fala algo que não deveria falar... Quando isso passa, fico muito mal. Porque nós precisamos muito um do outro. Até demais", avalia.  

CR7 incentivou irmã a emagrecer

Divorciada do pai de seus dois filhos, Katia diz não estar com pressa de encontrar um novo parceiro. Mas afirma que o fato de ter Cristiano Ronaldo como irmão acaba tornando o processo de encontrar um amor mais complicado. 

"Não vamos ser hipócritas, porque o fato de eu ser irmã de um atleta mundialmente conhecido faz, sim, com que as pessoas me vejam de outra forma. Sei que eu tenho qualidades para que gostem de mim independentemente dele e sei que muita gente se aproxima por ele. Mas aprendi a lidar com isso porque tenho pessoas de verdade ao meu redor.  Tenho uma redoma em minha volta, a maturidade, tudo isso me ensinou a selecionar. Mas isso não quer dizer que eu não possa me enganar um dia", admite ela, que, perto de completar 40 anos, se vê melhor hoje.

Reprodução/BuzzMag
Katia em foto para a revista BuzzMag, em 2015

"Fui casada, tive dois filhos, me divorcei. A partir daí tive que me tornar independente, mais segura. Percebi que poderia ser mãe, cantora, empresária. Toda mulher depois dos 30 anos se sente mais confiante. Isso me tornou mais bonita, claro", relaciona. 

A percepção passa também pelo lado estético. Nos últimos anos, Katia perdeu 34 quilos, o que lhe deixou mais segura para mostrar o seu lado mais sensual. A mudança, segundo ela, deixou o irmão orgulhoso. A cantora conta que ele nunca teve ciúme dela.   

"Cristiano ficou feliz. Sempre me incentivou a me cuidar, mas eu era muito relaxada, nunca gostei de ir à academia. No início, o incentivo era mental. Me dizia: 'seja persistente, tem que malhar todos os dias, tem que cuidar de você, investir em você'. Agora eu vejo que ele tinha razão". 

O incentivo à carreira musical é também óbvio. Fã de música, CR7, conta, também esconde um certo talento para cantar. "Cantamos juntos, todos os irmãos. Eles cantam mais ou menos. Mas já vi artistas que vivem da música que cantam pior que ele", diverte-se.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos