Rafinha abre as portas para jogar com Tite e nega desejo pela seleção alemã

Do UOL, em São Paulo

  • MOWA PRESS

O lateral Rafinha negou que sua recusa em defender a seleção brasileira em 2015 tenha sido motivada por um desejo de jogar pela Alemanha – ele é naturalizado alemão. Em entrevista ao programa "Tá na Área", do "Sportv", o jogador do Bayern de Munique afirmou que a razão foi a concorrência.

"A concorrência, no meu ponto de vista, é o primeiro, segundo e terceiro (chamado). O quarto não é concorrência. Como eu vinha atravessando um ótimo momento no Bayern, achei que aquele momento não era cabível para mim, tinha que dar prioridade para o Bayern", explicou.

Em setembro de 2015, Dunga chamou Rafinha em setembro para duas partidas válidas pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo. O lateral foi lembrado pelo treinador depois das lesões de Danilo e Daniel Alves. Na ocasião, a CBF afirmou que o jogador havia entrado em contato e pedido para não ser convocado.

"Não falei que não fui para a seleção para defender a seleção da Alemanha. No momento em que eu deixei de ir para a seleção brasileira, não falei que ia deixar a seleção brasileira. Simplesmente falei que não queria defender a seleção brasileira naquele momento. Se a CBF tivesse entrado em contato comigo, não haveria todo aquele transtorno que ocorreu".

Agora com Tite no comando da seleção brasileira, Rafinha afirmou estar à disposição para defender a seleção brasileira, caso o treinador deseje. O lateral, no entanto, pediu uma sequência com a camisa do Brasil.

"Com certeza (estou à disposição de Tite). A gente procura uma sequência, não você ir uma vez e ser convocado três anos depois. Se eu tiver uma sequência, a gente pensa com carinho, porque todo mundo sabe a grandeza da seleção brasileira", completou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos