Gestação

Laura, 12, podia jogar futebol com meninos, mas agora não pode mais

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

Não é por contusão, suspensão ou falta de qualidade que Laura Pigatin vai perder a segunda etapa do campeonato paulista de futebol sub-13. Meio campo titular do time campeão em São Carlos, ela está fora porque é menina.

A organização bateu o pé porque no regulamento está escrito 'torneio masculino'. Não importa que os treinadores e jogadores de equipes de outras cidades defendam a participação dela. Em 2015, foi a mesma história, e a garota não entrou em campo por objeção da representante da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo.

Laura descobriu da pior maneira que não podia jogar. Só ficou sabendo ao chegar junto com a equipe para o campeonato e ser avisada que estava proibida de competir. A confusão existe porque a fase municipal aceita times mistos. No regional, a menina não pode nem ficar no banco de reservas.

O pai, Lauro Pigatin, conta que é bastante difícil explicar pela segunda vez para uma garota de 12 anos que ela só foi barrada pelo regulamento de um torneio porque é menina. Ele fica triste ao ver a reação da filha.

"Sinto que ela fica desgostosa por ser mulher nessa hora. Pra mim é uma questão de preconceito. É uma exclusão".

Promessa descumprida

A situação se repete pela segunda vez para surpresa das pessoas que convivem com Laura. Quando foi impedida de jogar no ano passado, o pai da garota conversou com a delegada regional do torneio e sugeriu a liberação para os times mistos. A equipe de São Carlos se classificou para fase final e o treinador, Rogério Pereira, reforçou o pedido junto aos coordenadores da competição.

O treinador estranha o regulamento porque em torneios de entidades privadas é possível inscrever times mistos, mas na competição organizada pelo Estado não. Acrescenta que existem campeonatos oficiais femininos apenas dos 15 anos em diante. Desta maneira, Laura estaria proibida de jogar por mais três anos.

Quando ficou sabendo que não poderia inscrever a filha pela segunda vez na etapa regional, a mãe da garota escreveu para a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo. O pai montou um abaixo-assinado na internet, que foi divulgado nas redes sociais.

Ele defende que até certa idade seja possível ter times mistos. A partir de uma faixa etária, haveria uma divisão por questões físicas. Até este limite, meninos e meninas brigariam pela vaga de titular em condição de igualdade e assim as garotas poderiam participar dos campeonatos.

"Coloca misto, não custa. Não estamos pedindo favor ou para levar vantagem. Apenas para, que se tiver condição, jogue".

Lauro toma a iniciativa pela filha e por várias outras meninas que não podem competir no futebol. Acrescenta que a garota sonha em ser jogadora de futebol, mas não a incentiva. Para Lauro, a situação atual é um prenúncio do que estaria por vir na vida esportiva para uma menina que joga futebol.

"Há uma falta de direito em tudo. Ganham menos, têm menos exposição".

Paixão de berço

A relação de Laura com o futebol começou cedo. Quando tinha quatro anos a professora avisou que haveria uma atividade extraclasse: balé para meninas e futebol para os meninos. Ela não gostou e disse que preferia jogar bola. A escola e os pais atenderam a vontade da garota.

A infância de Laura foi correndo atrás de bola. Jogar com os meninos se tornou comum nos treinos, na escolinha de futebol que passou a frequentar e nos campeonatos. Vieram títulos e o interesse da imprensa regional.

Laura apareceu em reportagens de emissoras locais e em jornais da cidade. E é bem errado acreditar que ela apenas faz número no elenco e esquenta o banco. A menina é titular no meio campo, capitã, usa a 10 ou a 8 e se destaca pela qualidade no passe. Enquanto os garotos se preocupam em driblar todo mundo, ela joga para deixar os companheiros na cara do gol.

O pai fala que não existe tratamento diferenciado e os meninos entram para uma dividida com a mesma intensidade. Mas uma menina chama a atenção, e em alguns campeonatos pessoas pedem para tirar foto com ela.

Lauro também quer registrar o feito da filha em imagens e até comprou uma câmera para gravar os jogos. Mas admite que é um fiasco como cinegrafista e perde a concentração quando a filha pega a bola.

"Eu até filmo, mas quando tocam para ela começou a gritar 'vai, vai, vai' e esqueço do que estou fazendo".

Secretaria analisa o caso

Os pedidos do pai e do treinador de Laura nunca chegaram ao destino final. A assessoria da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo informou que não tinha conhecimento da solicitação de aceitar times mistos. Acrescentou que soube da situação somente nesta semana, quando a mãe da menina escreveu ao 'Fale Conosco'.

De acordo com a assessoria de imprensa, haverá um estudo para uma possível mudança no regulamento. Mas mesmo que ocorra alguma alteração, não é certo que Laura possa jogar o campeonato neste ano porque se as regras já foram publicadas e não seria fácil fazer adaptações no meio do torneio.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos