Tite no Allianz Parque: camisa do Palmeiras e promessa de carinho com Prass

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo

Pela primeira vez, Tite foi ao Allianz Parque apenas como um convidado ilustre. Antes adversário, o ex-técnico do Corinthians prestigiou o clássico entre Palmeiras e Santos na noite da última terça-feira (12). E percebeu que a realidade encontrada anteriormente, como comandante corintiano, ficou para o passado.

Um dia depois de estar no Mineirão para Cruzeiro x Atlético-PR, Tite prestigiou o clássico ao lado de Edu Gaspar, coordenador de seleções e outro ex-corintiano. A dupla observou o jogo em uma cabine reservada, no sexto - e último - andar da arena palmeirense.

Antes de sentar-se ao lado de Edu para analisar a partida e nomes como Lucas Lima, Gabigol e Fernando Prass, Tite recebeu um mimo até então improvável tempos atrás.

Tanto o treinador quanto Edu Gaspar receberam camisas do Palmeiras das mãos do presidente Paulo Nobre, que fez questão de mostrar-se cordial com os antigos rivais.

Toda a tranquilidade encontrada na visita desta terça contrastou com o pré-clássico de Tite. O treinador enfrentou um duro trânsito para chegar ao Allianz Parque e atrasou, inclusive, a programação de boa parte da imprensa.

Quando confirmada a informação de que Tite falaria na zona mista do Allianz Parque antes do jogo, um grupo de pouco mais de 30 profissionais se aglomerou em um espaço do setor de imprensa do estádio palmeirense.

O trânsito, no entanto, afastou Tite de um maior assédio por parte dos jornalistas. O treinador e Edu Gaspar atrasaram 40 minutos em relação ao horário inicial estipulado para a conversa.

O comandante falou com os jornalistas instantes antes do início da partida, diante de um grupo bem menor de profissionais da imprensa.

Diante da receptividade na casa palmeirense e do clima de cortesia, um dos assuntos tratados na rápida conversa foi Fernando Prass, goleiro e principal símbolo de liderança do clube alviverde, líder da Série A com 29 pontos.

O treinador da seleção principal promete 'olhar com carinho' o desempenho do jogador e não descarta levar o goleiro, mesmo aos 38 anos, para a equipe principal nas Eliminatórias.

"Carinho igual, olhar igual. (...) Todos que trabalham em alto nível, que estão em grandes clubes, em grandes momentos, têm essa possibilidade. Quero ter a chance de julgar o momento, não de julgar quem é melhor. A seleção é fundamentalmente três dias, sete dias e dois jogos em que os melhores atletas em seus melhores momentos devem estar", opinou.

A ida ao Allianz Parque faz parte do planejamento adotado pelo treinador neste início de trabalho na seleção brasileira. Tite quer acompanhar partidas in loco, a fim de observar atletas e o próprio desenvolvimento tático das equipes envolvidas no Campeonato Brasileiro.

"Tenho a responsabilidade profissional de acompanhamento. Não para julgar quem é melhor, mas para ver quem está melhor. E aí precisa estar ao vivo para para observar. No estádio, a atmosfera é diferente. A amplitude dos movimentos. A bola está do lado esquerdo, você consegue ver a compactação e os movimentos do lado direito. Você seleciona as próximas imagens", declarou.

Antes do clássico desta terça-feira, Tite presenciou outras duas partidas deste Brasileirão. Um dia antes de Palmeiras x Santos, o comandante da equipe pentacampeã mundial acompanhou Cruzeiro x Atlético-PR, no Mineirão. No último final de semana, o Gre-Nal disputado no Beira-Rio contou com a presença do treinador.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos