Milan é vendido para investidores chineses por R$ 2,6 bilhões

Do UOL, em São Paulo

  • Stefano Rellandini/Reuters

    Silvio Berlusconi aprovou a venda. Assinatura deverá ocorrer até o fim do ano

    Silvio Berlusconi aprovou a venda. Assinatura deverá ocorrer até o fim do ano

O Milan foi vendido para investidores chineses. A transação representou a quantia de 740 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões). O consórcio asiático agora tem em mãos 99,9% das ações do clube italiano. A negociação foi conduzida por Silvio Berlusconi como tentativa de salvar o time de dívidas milionárias. O acordo ainda não foi assinado. 

Um comunicado apresentado nesta sexta-feira informa que Berlusconi aprovou a venda do clube italiano, firmando um acordo preliminar. A oficialização do contrato deverá ser feita até o fim do ano. 

Após mais um ano de negociações, o grupo Mas-Europe Investiment Management Changxing aceitou os pedidos do presidente 'rossonero'.

O grupo chinês é formado pelo Haixia Capital, fundo estatal da China para o desenvolvimento e investimentos, pelo empresário Yonghong Li e outros investidores, alguns deles também ligados ao governo do país, destacou a imprensa italiana.

Berlusconi, que admitiu em junho a necessidade de vender o Milan para que o clube possa voltar a conquistar campeonatos, exigiu, além disso, que os novos donos do clube aceitem investir no mínimo 350 milhões de euros nos próximos três anos em contratações.

O dirigente, ex-primeiro-ministro da Itália, deixará o Milan após 30 anos de presidência nos quais marcou época, ao conquistar 28 títulos e contratar grandes nomes do futebol mundial.

A mudança permitirá o Milan a entrar no mercado de contratações ainda nesta temporada. Até então, os contatos com outros jogadores tinham ficado parada por causa das negociações de venda do clube.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos