Inter repete fórmula de 2010 e faz aposta a curto prazo com Celso Roth

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

  • Fábio Berriel/Freelancer

    Celso Roth estava desempregado desde agosto de 2015 e assinou até dezembro

    Celso Roth estava desempregado desde agosto de 2015 e assinou até dezembro

Mergulhado em uma crise que parece não ter fim, o Internacional recorreu a uma fórmula que deu certo seis anos atrás. Tal qual fez em meio a disputa da Copa Libertadores, o clube recorre a Celso Roth para conseguir um objetivo a curto prazo.

Em 2010, a meta era passar pela semifinal diante do São Paulo e levar o título. A taça veio, com duas vitórias em cima do Chivas-MEX. Agora o objetivo é voltar a vencer e eliminar o risco de rebaixamento no Brasileirão.

O plano é dar um choque no vestiário. Injetar ânimo e dar estofo para um elenco jovem, que entrou em uma espiral de erro, falta de confiança e novo erro.  

A negociação com Celso Roth foi rápida e conseguiu fugir de uma exigência cada vez mais corrente no mercado: contrato longo. O treinador topou assinar vínculo de cinco meses sob argumento de que o trabalho em Porto Alegre para recolocá-lo no mercado de vez.

Em 2015, Roth deixou o Vasco depois de 13 jogos e com péssimos números: três vitórias, um empate e sete derrotas. Um ano antes, também não foi bem no Coritiba.

Céu e inferno

Aos 58 anos, Celso Roth já treinou 18 clubes na carreira. Em nenhum deles, contudo, viveu tantas emoções como no Internacional. Foi no Beira-Rio que ele surgiu como treinador emergente, em 1997. Naquele ano, ganhou o Campeonato Gaúcho e terminou como terceiro colocado do Campeonato Brasileiro.

Em 2002, voltou e não foi bem. Deixou o time perto do rebaixamento e ficou conhecido por episódio com o lateral Chiquinho, criado nas categorias de base. Oito anos depois, voltou para acabar com a fama de técnico sem título relevante. Assumiu o Inter na semifinal da Libertadores e faturou a Libertadores.

Em dezembro de 2010, contudo, viveu a pior derrota da história do Inter e da carreira: 2 a 0 diante do Mazembe, na semifinal do Mundial de Clubes, em Abu Dhabi. Apesar da eliminação surpreendente, renovou contrato e iniciou a temporada seguinte. Foi demitido depois da primeira derrota. Ainda naquele ano, foi trabalhar no Grêmio.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos