O vidão de Renato Gaúcho nos dois anos longe dos campos

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

Mais de dois anos depois de comandar seu último clube, o Fluminense, em 2014, Renato Gaúcho voltou ao cenário do futebol brasileiro. Apresentado nesta segunda-feira (19) como técnico do Grêmio, o comandante foi questionado sobre como acompanhou o esporte mesmo distante. Garantiu que continuou vendo todo tipo de jogo, mas a observação ficou por aí. Comerciais de televisão, a filha e muita praia tomaram a agenda do ex-atacante no período longe dos gramados. 

Demitido do Fluminense no começo de abril de 2014, Renato permaneceu no Rio de Janeiro. E encontrá-lo não era difícil. Bastava ir para a praia. Foram muitos momentos de descontração nas areias de Copacabana, invariavelmente acompanhado da filha, Carol Portaluppi. 
 
Renato fez o que mais gosta: jogou futevôlei, aproveitou o calor das praias cariocas, esteve com amigos... Enquanto não acertava com outro clube, lucrou também com comerciais de televisão. No embalo do sucesso da filha, interpretou ele mesmo em materiais publicitários de marcas de refrigerante e antiácido. Sempre em uma levada de bom humor. 
 
Apesar do 'trabalho paralelo', ele garante que não esqueceu do futebol. "Eu vejo todos os jogos, Brasileiro, Liga dos Campeões, Série B, até porque eu vivo no meio do futebol... Pode ter certeza que nada me escapou", resumiu em entrevista coletiva. 
 
Ao contrário de outros treinadores, como Tite que procurou aprimorar treinamentos viajando pela Europa, ou nomes em menor evidência, Caio Júnior, Vágner Mancini, Dorival Júnior, que tiveram atitudes semelhantes, Portaluppi preferiu permanecer no país, aguardando o melhor momento de regressar. 
 
Enquanto esteve fora de atividade, o treinador foi motivo até de piada da filha. "Se vocês estão precisando de alguém para lavar, passar, cozinhar, arrumar casa e cuidar de seus cachorros, lavar piscina... ligue para contratar Renato", dizia Carol em uma gravação publicada nas redes sociais em abril do ano passado, enquanto o pai olhava surpreso ao fundo.
 
No período, Renato rejeitou convites de clubes como Criciúma e Bahia. Na última semana acertou-se com o Grêmio após a demissão de Roger Machado e chega com respaldo da atual direção, formada por Adalberto Preis, como vice, Odorico Roman, como diretor, e também com a contratação de Valdir Espinosa, que foi técnico de Renato no Grêmio, para o cargo de coordenador técnico. 
 
"O Espinosa sempre foi como um pai para mim. Trabalhamos e fomos campeões do mundo juntos, com ele como treinador e eu como jogador. Agora será um prazer ele como coordenador e eu como técnico. Nossa relação é maravilhosa", disse Renato. 
 
A estreia da terceira passagem dele pelo reservado do time onde é o maior ídolo da história como jogador acontece nesta quarta-feira (21), às 19h30, diante do Atlético-PR, na Arena. O jogo vale pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Na partida de ida, em Curitiba, o Grêmio ganhou por 1 a 0. Para avançar às quartas basta empatar. Se perder em casa por 1 a 0, o duelo vai ser definido nos pênaltis.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos