Chelsea usa brasileiros só para empréstimo. Destino favorito gera polêmica

Do UOL, em São Paulo

  • Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

    O brasileiro Nathan está emprestado ao suspeito Vitesse, da Holanda

    O brasileiro Nathan está emprestado ao suspeito Vitesse, da Holanda

Oscar, Willian e David Luiz são os brasileiros mais famosos do Chelsea e estrelas do time principal. Mas outros quatro brasileiros vivem uma realidade característica e pouco animadora do clube inglês: eles fazem parte de uma legião de emprestados. Atualmente, 37 jogadores do Chelsea estão cedidos a outros clubes.

Kenedy, Lucas Piazon, Wallace e Nathan já puderam se gabar de serem anunciados como reforços pelo Chelsea. Todos têm contrato com o poderoso clube inglês, mas os planos para eles passam longe do Stamford Bridge. Os quatro estão emprestados para diferentes times e, com exceção de Kenedy, mal jogaram com a camisa azul. O atleta revelado no Fluminense é um ponto fora da curva nesta relação, já que atuou em 20 partidas na última temporada, porém ficou fora dos planos de Antonio Conte e acabou cedido ao Watford.

Dos outros três, Piazon é o que está há mais tempo no Chelsea - desde 2011. Defendeu os times inferiores e fez apenas três jogos pelos Blues no fim de 2012, quando começou sua peregrinação por Málaga, Vitesse (HOL), Eintracht Frankfurt, Reading e Fulham. 

Wallace jogou só em um tour de verão, passou por Inter de Milão e Vitesse e agora está emprestado ao Grêmio. Nathan, por sua vez, defendeu só um time desde que foi contratado pelo Chelsea: o Vitesse.

A semelhança entre os três brasileiros não se resume apenas ao fato de não pararem em Stamford Bridge. Em algum momento, o trio já teve uma passagem por empréstimo no Vitesse. A relação entre o clube inglês e o holandês chegou a levantar suspeita e ainda gera polêmica na Holanda.

Nos últimos anos, o Chelsea mandou cerca de 20 jogadores para o Vitesse por empréstimo. Essa relação passou a ser investigada pela liga holandesa, que viu mais do que simpatia nos acordos entre os clubes.

A parceria começou quando Merab Jordania, um magnata da Georgia que assumiu o Vitesse, estreitou sua relação com o poderoso dono do Chelsea, Roman Abramovich. No entanto, quando deixou o clube holandês, Jordania acusou Abramovich de impor até quantos minutos cada jogador emprestado deveria atuar e afirmou que o mandatário do clube inglês não permitiu que o Vitesse fosse campeão holandês para não enfrentar o Chelsea na Liga dos Campeões. O georgiano disse que este foi o estopim para sair do clube.

Aleksandr Chigirinskiy, também russo, tornou-se o novo proprietário do Vitesse. A liga holandesa descobriu uma sociedade entre Chigirinskiy e Abramovich em uma empresa, mas uma investigação independente, feita pela liga holandesa, nada conseguiu provar. Enquanto isso, a parceria continua no futebol, tanto que três jogadores do Chelsea estão emprestados ao time holandês, entre eles o brasileiro Nathan.

Porém, a relação segue gerando críticas. O Vitesse é chamado por alguns como o "Chelsea B" e as pessoas contrárias a Chigirinskiy afirmam que Abramovich é quem realmente manda no clube. Os torcedores ficam divididos: quando chega uma safra boa de promessas contratadas pelo Chelsea comemoram, mas nem sempre os jogadores emprestados agradam. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos